Verbetes:
adaptação às mudanças climáticas
albergue
amolador
analfabetismo-alfabetização
andarilho
aprender-ensinar
aquecimento global
arruaça
arruaceiro
artista
artista de rua
assentamento
aterro sanitário
auxílio moradia
bairro
bairro-educador
bairro-escola
benevolo, leonardo (1923-)
bicicletário
bicicletário (foto)
bifobia
bilhete único
bonde (foto)
buzinaço
calçada
calçadão
camelô
cão e urbanidade
cartilha
casa
casa e corrida (foto)
catador
censo
centro
centro de estudos da metrópole
centro, revitalização (foto)
ciber
ciberbullying
cibercondria
cibercultura
ciclista, ciclofaixa (foto)
cidad-e
cidadania
cidadão
cidade
cidade dormitório
cidade escola
cidade global
cidade-alfa
cisgÊnero
coletivo
comércio ilegal
comunidade
comunidade
condomínio
condomínio de luxo
condomínio fechado
condomínio horizontal
congestionamento (foto)
container de lixo (foto)
contrabando
conurbação
corpografia
corrupção
cortiço
crime
crônica urbana
cultura e espaço
denúncia
denuncismo
desastre natural
disciplina
domicílio
droga
elevado
enchente
escola
escola de samba
espoliação urbana
estelionato
eutopia
exclusão espacial
favela
favela
favelização
feminismo
flanelinha
fobia
forma escolar
fragmentação econômica
fragmentação espacial
fragmentação social
furto
gari
globalization and world cities research network (gawc)
guardador de carros
habitante
hídrico
história da cidade (livro)
homicídio
ignorância
inclusão espacial
instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
integração (transporte)
internetês
invasão
ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
janelas
laboratório de estudos urbanos
lagoa
lagoa (foto)
lambe-lambe
largo
lembranças escolares
lesbofobia
lixão
lixeiras (foto)
lixeiro
lixo
lote
loteamento
machismo
malabar
mancha urbana
manifestação
marginal
marginalidade
megalópole
memória metálica
mendigo
metrópole
metrópole (foto)
metrópole e cultura
metrópole e tráfego (vídeo)
metropolização
ministério da saúde
ministério das cidades
ministério do trabalho e emprego
mitigação das mudanças climáticas
mobilidade
mocambo
monumento
moradia
morador
movimento pendular
mudança climática
mulher
município
município
muro
nômade
observatório das metrópoles
ocupação
organização mundial da saúde (oms)
organizador local
panelaço
panfleteiro
patrick geddes
pedestre
pedinte
periferia
pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
pet
pipoqueiro
pirataria
polícia
polissemia
população em situação de rua
população residente
praça
praça adotada
praça de alimentação
praça histórica (foto)
praça identitária
praça seca
praça seca (foto)
prisma faces entrelaçadas
puxadinho
região metropolitana
rodovia e região metropolitana (foto)
romeiro
roubo
rua
ruão
ruído urbano
saber urbano e linguagem
saltimbanco
santidade
saúde (na constituição)
segurança pública
sem-carro
sinaleiro
solo urbano
sorveteiro
subúrbio
telecentro
trabalho informal
tráfego (foto)
tráfico
transeunte
transfobia
transporte
transporte aquaviário
transporte ferroviário
transporte rodoviário
transporte urbano
trecheiro
utopia
vadia
vagabundo
varredor
vazio urbano
viaduto

lixo

José Horta Nunes


Os sentidos de lixo têm se deslocado da posição do produtor para a do utilizador, em um processo que tem a ver com o crescimento das cidades e o aumento e diversificação do lixo urbano. Os ecologistas buscam reverter os danos ambientais causados pelo acúmulo de lixo. Surgem novas formas de trabalho (catadores de lixo, agentes ambientais), bem como práticas que relacionam o tratamento do lixo à saúde, à educação, às políticas públicas.  Em um dos dicionários disponíveis ao público brasileiro, o Aurélio (FERREIRA, 2000), os sentidos de lixo se voltam para o descarte: " 1. Aquilo que se varre da casa, do jardim, da rua, e se joga fora; entulho." , "2. P. ext.  Tudo o que não presta e se joga fora.", "3. Coisa ou coisas inúteis, velhas, sem valor.". O lixo é visto aí como algo sem valor, que se joga fora, sendo sinônimo de entulho ou, mais tecnicamente, resíduo:  "Restr.  Resíduos que resultam de atividades domésticas, industriais, comerciais, etc.". Há os sentidos que incidem também sobre os sujeitos e a sociedade, como "sujidade, sujeira, imundície" e "fig. V. ralé". Com a industrialização e a ideologia do consumo, o lixo se acumula, levando à poluição do meio ambiente e das cidades. Nas últimas décadas, tem-se considerado mais de perto a posição de quem recebe o lixo e lhe dá uma destinação. Tornaram-se usuais locuções como "reaproveitamento do lixo", “reutilização do lixo, "reciclagem do lixo". O lixo deixou de significar algo que não tem valor, e passou a ser visto como objeto de transformação, de trabalho, de emprendimento, tendo múltiplas destinações: reutilização industrial, criação de novos produtos, produção artística, fonte de energia, etc. Na escola e na mídia, os temas da "reciclagem" e da "coleta seletiva de lixo" se tornaram dos mais presentes. A coleta, antes realizada pelas prefeituras, passou a ser também de responsabilidade de sujeitos cotidianos, moradores, empresários, etc., o que indica as parcerias entre setor público e privado. Em agosto de 2010, é publicada no Brasil a "Política Nacional de Resíduos Sólidos", que propõe a "responsabilidade compartilhada", enquanto um "acordo setorial" entre "o poder público e fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes, tendo em vista a implantação da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida do produto".  O ciclo de vida do produto compreende, além dos processos de fabricação, a reutilização, a reciclagem, a destinação final dos rejeitos nos aterros sanitários. Assim, desde a "matéria-prima" até a "disposição final", o lixo passa a ser considerado em seu processo de produção, utilização, aproveitamento ou descarte dos rejeitos, ou seja, daquilo que não foi possível reaproveitar. Na conjuntura mundial, o lixo também demanda sentidos de alerta, diante da crescente poluição, e também dos casos de lixo atômico e até de lixo espacial, com o acréscimo de objetos que retornam à superfície após terem sido lançados no espaço. Escapando à organização da cidade, os lixões se multiplicaram nos arredores da cidade, além dos aterros sanitários administrados pelas prefeituras. Tal fato ganhou um dimensão social inesperada, de modo que sujeitos excluídos que frequentam esses locais ou habitam neles tornaram-se símbolos de resistência, por meio de atos simbólicos que metaforizam o lixo como luta pela vida e objeto social, nas fronteiras entre espaço público, moradia, trabalho, tecnologia, inovação, dentre outros espaços de significação. Na poesia, Manoel de Barros re-significa os sentidos de utilização do lixo: "O que é bom para o lixo é bom para a poesia", abrindo para processos de significação que marcam a contemporaneidade.

 

Bibliografia consultada

 

BARROS, M. de. Matéria de poesia. 3ª ed.  Rio de Janeiro: Record, 1999FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio Século XXI: o Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

LAGAZZI-RODRIGUES, S.;NUNES, J. H.Discurso e urbanidade: o documentário e o dicionário no espaço da cidade. Revista Brasileira de Letras. Vol. 5, nº 1, pg. 85-93, 2008.

POLÍTICA NACIONAL de Resíduos Sólidos. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em: 01 de dezembro de 2014.

 

Palavras-chave:

trabalho
  -conurbação
  -escola
  -pirataria
  -mendigo
  -população em situação de rua
  -aterro sanitário
  -instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
  -utopia
  -assentamento
  -espoliação urbana
  -fragmentação espacial
  -fragmentação social
  -exclusão espacial
  -inclusão espacial
  -bicicletário
  -ministério do trabalho e emprego
  -catador
  -lixeiro
  -varredor
  -gari
  -amolador
  -artista
  -camelô
  -flanelinha
  -panfleteiro
  -pedinte
  -pipoqueiro
  -sorveteiro
  -vagabundo
  -guardador de carros
  -saltimbanco
  -movimento pendular
  -comércio ilegal
  -trabalho informal
  -coletivo
  -congestionamento (foto)
  -rodovia e região metropolitana (foto)
  -bicicletário (foto)

população em situação de rua
  -viaduto
  -trecheiro
  -mendigo
  -população em situação de rua
  -exclusão espacial
  -praça
  -sinaleiro
  -albergue
  -praça seca
  -nômade

lixo
  -lixão
  -aterro sanitário
  -catador
  -lixeiro
  -container de lixo (foto)
  -lixeiras (foto)

lixão
  -lixão
  -aterro sanitário
  -catador
  -lixeiro

aterro sanitário
  -lixão
  -aterro sanitário

catador de lixo
  -lixão
  -aterro sanitário
  -catador
  -lixeiro

vida
  -lixão
  -homicídio
  -mudança climática
  -aquecimento global
  -mitigação das mudanças climáticas

energia
  -censo
  -instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)

espaço público
  -lixão
  -ruão
  -arruaceiro
  -arruaça
  -loteamento
  -fragmentação social
  -praça
  -sinaleiro
  -calçada
  -praça seca
  -praça adotada
  -monumento
  -catador
  -varredor
  -gari
  -artista de rua
  -camelô
  -comércio ilegal
  -container de lixo (foto)
  -lagoa (foto)
  -casa e corrida (foto)
  -lixeiras (foto)
  -praça seca (foto)
  -praça histórica (foto)
  -centro, revitalização (foto)
  -bicicletário (foto)

espaço privado
  -lixão
  -praça
  -praça adotada




Noções: