Verbetes:
adaptação às mudanças climáticas
albergue
amolador
analfabetismo-alfabetização
andarilho
aprender-ensinar
aquecimento global
arruaça
arruaceiro
artista
artista de rua
assentamento
aterro sanitário
auxílio moradia
bairro
bairro-educador
bairro-escola
benevolo, leonardo (1923-)
bicicletário
bicicletário (foto)
bifobia
bilhete único
bonde (foto)
buzinaço
calçada
calçadão
camelô
cão e urbanidade
cartilha
casa
casa e corrida (foto)
catador
censo
centro
centro de estudos da metrópole
centro, revitalização (foto)
ciber
ciberbullying
cibercondria
cibercultura
ciclista, ciclofaixa (foto)
cidad-e
cidadania
cidadão
cidade
cidade dormitório
cidade escola
cidade global
cidade-alfa
cisgÊnero
coletivo
comércio ilegal
comunidade
comunidade
condomínio
condomínio de luxo
condomínio fechado
condomínio horizontal
congestionamento (foto)
container de lixo (foto)
contrabando
conurbação
corpografia
corrupção
cortiço
crime
crônica urbana
cultura e espaço
denúncia
denuncismo
desastre natural
disciplina
domicílio
droga
elevado
enchente
escola
escola de samba
espoliação urbana
estelionato
eutopia
exclusão espacial
favela
favela
favelização
feminismo
flanelinha
fobia
forma escolar
fragmentação econômica
fragmentação espacial
fragmentação social
furto
gari
globalization and world cities research network (gawc)
guardador de carros
habitante
hídrico
história da cidade (livro)
homicídio
ignorância
inclusão espacial
instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
integração (transporte)
internetês
invasão
ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
janelas
laboratório de estudos urbanos
lagoa
lagoa (foto)
lambe-lambe
largo
lembranças escolares
lesbofobia
lixão
lixeiras (foto)
lixeiro
lixo
lote
loteamento
machismo
malabar
mancha urbana
manifestação
marginal
marginalidade
megalópole
memória metálica
mendigo
metrópole
metrópole (foto)
metrópole e cultura
metrópole e tráfego (vídeo)
metropolização
ministério da saúde
ministério das cidades
ministério do trabalho e emprego
mitigação das mudanças climáticas
mobilidade
mocambo
monumento
moradia
morador
movimento pendular
mudança climática
mulher
município
município
muro
nômade
observatório das metrópoles
ocupação
organização mundial da saúde (oms)
organizador local
panelaço
panfleteiro
patrick geddes
pedestre
pedinte
periferia
pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
pet
pipoqueiro
pirataria
polícia
polissemia
população em situação de rua
população residente
praça
praça adotada
praça de alimentação
praça histórica (foto)
praça identitária
praça seca
praça seca (foto)
prisma faces entrelaçadas
puxadinho
região metropolitana
rodovia e região metropolitana (foto)
romeiro
roubo
rua
ruão
ruído urbano
saber urbano e linguagem
saltimbanco
santidade
saúde (na constituição)
segurança pública
sem-carro
sinaleiro
solo urbano
sorveteiro
subúrbio
telecentro
trabalho informal
tráfego (foto)
tráfico
transeunte
transfobia
transporte
transporte aquaviário
transporte ferroviário
transporte rodoviário
transporte urbano
trecheiro
utopia
vadia
vagabundo
varredor
vazio urbano
viaduto

manifestação

Verli Fátima Petri da Silveira


Manifestação – ato ou efeito de manifestar ou de manifestar-se. Tornar algo manifesto, público, conhecido. Manifestação é uma palavra muitas vezes dita e ouvida, escrita e lida, fazendo circular, nesse início de século XXI, via mídia, uma gama de sentidos muito própria ao momento histórico e social no qual está inscrita. A palavra manifestação, ao circular, carrega em si mesma o gesto de significar e re-significar realidades sociais; carrega, em si mesma, possibilidades de sentidos que estão na palavra, porque ela tem uma memória; mas estão, sobretudo, em cada prática social que ela engendra, daí a pluralidade de sentidos. Manifestar ideias ou desejos particulares ou coletivos é promover um movimento na estabilidade própria do discurso, é dar voz ao que estava silenciado, é dar publicidade ao que antes era de algum modo guardado, é revelar algo que estava em estado de latência. O sentido da palavra manifestação está, na maioria das vezes, ligado às condições de produção do discurso, marcando a inscrição ideológica do sujeito que a profere, estabelecendo os sentidos que podem e devem emergir naquele momento sócio-histórico e naquele espaço discursivo. Assim sendo, a manifestação publiciza alguns sentidos e interdita os sentidos que não podem e não devem aparecer em dadas circunstâncias. Vejamos como isso se dá a partir de alguns exemplos do funcionamento da palavra manifestação na mídia digital (em 02 de julho de 2013): 1. “MPL [Movimento Passe Livre] faz manifestação em Salvador, protesto chega a hotel da Fifa” (site Terra Brasil), a manifestação é coordenada por um grupo social organizado, re-significado pela mídia como protesto(contra a Copa do Mundo ser no Brasil) e como tal alcança o efeito de sentido que seria manifestar descontentamento, manifestar ideias. Direcionamento dos sentidos: legitimidade da manifestação. 2. “Após queda durante manifestação deputados cobram instalação de grade no viaduto José de Alencar” (site O Tempo), a manifestação é o cenário (há um acidente durante a manifestação e ele desencadeia uma possível ação), espaço a partir do qual o poder público (legislativo) manifesta-se. Direcionamento dos sentidos: manifestação gera manifestação. 3. “Por manifestação caminhoneiros paralisam trabalhos” (site de notícias G1), a manifestação é re-significada pela mídia como paralisação/negligência, na qual trabalhadores negligenciam a urgência dos transportes. Direcionamento dos sentidos: se trabalhar é o oposto de paralisar, aos trabalhadores do transporte é interditado o direito à manifestação. 4. “Prejuízos são contabilizados após manifestação” (site de notícias G1), a manifestação é re-significada pela mídia numa relação de causa/consequência estabelecendo que manifestação causa prejuízo. Direcionamento dos sentidos: se parte do grupo social manifesta-se, o grupo social (e o poder público) como um todo arca com os prejuízos provocados, logo, manifestação não é bom para os negócios. 5. “Manifestação termina em confronto” (site de notícias G1), a manifestação é re-significada pela mídia como espaço de violência, tendo seu ápice na palavra confronto. Direcionamento de sentidos: se a manifestação é confronto com o poder público, manifestar-se é desrespeitar a ordem pública. Estes são alguns exemplos da palavra manifestação em funcionamento no ano de 2013, um funcionamento observável como forma de presentificação de sentidos em detrimento à memória que a palavra carrega em si mesma. A memória não se apaga, mas há outros sentidos que passam a integrá-la no momento político atual, fazendo da palavra manifestação o que ela é hoje. Neste caso, dizer manifestação passa a significar mais do que a reunião de pessoas que desejam tornar algo público, conhecido, e esse ato não é neutro. Ao ato de manifestar, ou manifestar-se publicamente, foram agregados sentidos pejorativos, tais como: ilegitimidade, rebeldia sem causa, oportunismo, paralisação, negligência, prejuízo, depredação, confronto, desrespeito, violência, etc.. Assim sendo, há um trabalho ideológico na produção de sentidos que aproxima cada vez mais os sentidos de manifestação do campo de significação próprio à criminalização. O ato público que reúne pessoas que estão expressando suas ideias e lutando pelos seus direitos, num país dito democrático, é manifestação e tem o poder de mudar as relações de poder entre governantes e governados; mas a manifestação é uma palavra que está na língua, logo, em movimento, e seu sentido sempre pode ser outro.

Palavras-chave:




Noções: