Verbetes:
adaptação às mudanças climáticas
albergue
amolador
analfabetismo-alfabetização
andarilho
aprender-ensinar
aquecimento global
arruaça
arruaceiro
artista
artista de rua
assentamento
aterro sanitário
auxílio moradia
bairro
bairro-educador
bairro-escola
benevolo, leonardo (1923-)
bicicletário
bicicletário (foto)
bifobia
bilhete único
bonde (foto)
buzinaço
calçada
calçadão
camelô
cão e urbanidade
cartilha
casa
casa e corrida (foto)
catador
censo
centro
centro de estudos da metrópole
centro, revitalização (foto)
ciber
ciberbullying
cibercondria
cibercultura
ciclista, ciclofaixa (foto)
cidad-e
cidadania
cidadão
cidade
cidade dormitório
cidade escola
cidade global
cidade-alfa
cisgÊnero
coletivo
comércio ilegal
comunidade
comunidade
condomínio
condomínio de luxo
condomínio fechado
condomínio horizontal
congestionamento (foto)
container de lixo (foto)
contrabando
conurbação
corpografia
corrupção
cortiço
crime
crônica urbana
cultura e espaço
denúncia
denuncismo
desastre natural
disciplina
domicílio
droga
elevado
enchente
escola
escola de samba
espoliação urbana
estelionato
eutopia
exclusão espacial
favela
favela
favelização
feminismo
flanelinha
fobia
forma escolar
fragmentação econômica
fragmentação espacial
fragmentação social
furto
gari
globalization and world cities research network (gawc)
guardador de carros
habitante
hídrico
história da cidade (livro)
homicídio
ignorância
inclusão espacial
instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
integração (transporte)
internetês
invasão
ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
janelas
laboratório de estudos urbanos
lagoa
lagoa (foto)
lambe-lambe
largo
lembranças escolares
lesbofobia
lixão
lixeiras (foto)
lixeiro
lixo
lote
loteamento
machismo
malabar
mancha urbana
manifestação
marginal
marginalidade
megalópole
memória metálica
mendigo
metrópole
metrópole (foto)
metrópole e cultura
metrópole e tráfego (vídeo)
metropolização
ministério da saúde
ministério das cidades
ministério do trabalho e emprego
mitigação das mudanças climáticas
mobilidade
mocambo
monumento
moradia
morador
movimento pendular
mudança climática
mulher
município
município
muro
nômade
observatório das metrópoles
ocupação
organização mundial da saúde (oms)
organizador local
panelaço
panfleteiro
patrick geddes
pedestre
pedinte
periferia
pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
pet
pipoqueiro
pirataria
polícia
polissemia
população em situação de rua
população residente
praça
praça adotada
praça de alimentação
praça histórica (foto)
praça identitária
praça seca
praça seca (foto)
prisma faces entrelaçadas
puxadinho
região metropolitana
rodovia e região metropolitana (foto)
romeiro
roubo
rua
ruão
ruído urbano
saber urbano e linguagem
saltimbanco
santidade
saúde (na constituição)
segurança pública
sem-carro
sinaleiro
solo urbano
sorveteiro
subúrbio
telecentro
trabalho informal
tráfego (foto)
tráfico
transeunte
transfobia
transporte
transporte aquaviário
transporte ferroviário
transporte rodoviário
transporte urbano
trecheiro
utopia
vadia
vagabundo
varredor
vazio urbano
viaduto

cibercultura

Dantielli Assumpção Garcia


 Ciber – Ciberespaço – Cibercidade – Comunidades virtuais – Tecnologias digitais

Pierre Lévy, em seu livro Cibercultura (1999), definirá alguns termos que fazem parte do espaço virtual. O autor (1999, p. 130) entende a cibercultura como a expressão da aspiração de construção de um laço social

que não seria fundado nem sobre links territoriais, nem sobre relações institucionais, nem sobre as relações de poder, mas sobre a reunião em torno de centros de interesses comuns, sobre o jogo, sobre o compartilhamento do saber, sobre a aprendizagem cooperativa, sobre processos abertos de colaboração. O apetite para as comunidades virtuais encontra um ideal de relação humana desterritorializada, transversal, livre. As comunidades virtuais são os motores, os atores, a vida diversa e surpreendente do universal por contato.

 

André Lemos (2008, p. 11), relacionando sociedade, tecnologia e cultura, salienta que o termo cibercultura está “recheado de sentidos”, mas que podemos compreender a cibercultura como “a forma sociocultural que emerge da relação simbiótica entre a sociedade, a cultura e as novas tecnologias de base micro-eletrônica que surgiram com convergência das telecomunicações com a informática na década de 70.” Ainda para o autor (2008, p. 11), a cibercultura é a “cultura contemporânea marcada pelas tecnologias digitais”, como consequência direta da evolução da cultura técnica moderna. Assim, a cibercultura “nasce no desdobramento da relação da tecnologia com a modernidade que se caracterizou pela dominação através do projeto racionalista-iluminista, da natureza e do outro” (LEMOS, 2008, p. 11). Portanto, o termo passará a produzir sentidos com o advento das tecnologias digitais, da sociedade em rede.

Lemos (2008) falará em leis da cibercultura. Para ele, haveria três leis. A primeira lei seria a da Reconfiguração, não substituição ou aniquilamento: “Em várias expressões da cibercultura trata-se de reconfigurar práticas, modalidades midiáticas, espaços, sem a substituição de seus respectivos antecedentes” (LEMOS, 2008, p. 18). A segunda seria a da Liberação do pólo de emissão:

As diversas manifestações socioculturais contemporâneas mostram que o que está em jogo como o excesso de informação nada mais é do que a emergência de vozes e discursos anteriormente reprimidos pela edição da informação pelos mass media. A liberação do pólo da emissão está presente nas novas formas de relacionamento social, de disponibilização da informação e na opinião e movimentação social da rede. Assim chats, weblogs, sites, listas, novas modalidades midiáticas, e-mails, comunidades virtuais, entre outras formas sociais podem ser compreendidas por essa segunda lei (LEMOS, 2008, p. 20).

A terceira lei seria a da conectividade generalizada que
 

começa com a transformação do PC em CC [computador conectado], e desse CC móvel. As diversas redes sócio-técnica contemporâneas mostram que é possível estar só sem estar isolado. A conectividade generalizada põe em contato direto homens e homens, homens e máquinas mas também máquinas e máquinas que passam a trocar informação autônoma e independente. Nessa era da conexão o tempo reduz-se ao tempo real e o espaço transforma-se em não-espaço, mesmo que por isso a importância do espaço real e do tempo cronológico, que passa, tenham suas importâncias renovadas (LEMOS, 2008, p. 20).

Dessa forma, com a emergência da cibercultura, novas formas de relacionar-se com o outro são constituídas. O indivíduo só conectado na rede não está mais isolado, está entremeado por discursos, culturas, sentidos que o interpelam e o constitui como sujeito do ciberespaço, da cibercultura.

Em um trecho do debate Educar na Era Digital (http://www.youtube.com/watch?v=hCFXsKeIs0w), Lemos ressalta que a cibercultura é a cultura da leitura e da escrita. A cibercultura traz a possibilidade de ampliação da leitura em várias línguas e formatos. Para o autor, com a cibercultura não temos só o leitor, mas também o escritor, uma vez que o sujeito, o qual circula na rede, não apenas lê como também escreve. No ciberespaço, o sujeito em rede, imaginariamente, amplia suas formas de socialização, suas atividades sociais, seu espaço de convivência.

Diniz (2008, p. 13) vê a cibercultura como “um produtor próprio, e que se inscreve estruturalmente na informática e na Internet e na Word Wide Web (WWW), por meio de espaços e elementos tanto de produção quanto de veiculação de produtos culturais disseminados na Rede”. Para o autor, a cibercultura é um espaço de divulgação e circulação de elementos culturais na rede. A cibercultura não seria um movimento em si, mas um espaço que permite que movimentos culturais tenham sentidos.

Na Wikipédia, cibercultura (“junção da palavra cibernética e cultura”) é definida como a

cultura que surgiu, ou surge, a partir do uso de computadores através da comunicação através de computadores. A indústria do entretenimento e o comércio eletrônico. É também o estudo de vários fenômenos sociais associados à internet e outras novas formas de comunicação em rede, como as comunidades on-line, jogos de multi-usuários, jogos sociais, mídias sociais, realidade aumentando, mensagens de texto, e inclui questões relativas à identidade, privacidade e formação de rede.

Na Wikipédia, a cibercultura é associada tanto à cultura que circula na rede, na internet, como a comércio de entretenimento. Temos nessa definição a presença de um discurso econômico, de um discurso da segurança (identidade, privacidade) no espaço digital.

Coloca a Wikipédia ainda que o termo cibercultura contempla “todos os fenômenos relacionados ao ciberespaço, aqueles fenômenos associados às formas de comunicação mediada por computadores”. Assim, para a Wikipédia, a cibercultura está relacionada a uma forma de comunicação em que o computador é a peça-chave para a circulação de sentidos.

Portanto, ao definir-se cibercultura, vemos a circulação de discursos relacionados ao surgimento de novas tecnologias digitais, de novas formas de relacionamento entre sujeitos conectados à rede, de novas formas de comunicação, de segurança, de comércio e de socialização.

 

Referências Bibliográficas

Cibercultura. https://pt.wikipedia.org/wiki/Cibercultura. Acesso em 13 de jan. de 2014.

DINIZ, L. A. G. Cibercultura, hipertexto e cidade: a literatura e as artes no contexto das tecnologias digitais. São José do Rio Preto: [s.n.], 2008. 

LEMOS, A. C. Cibercultura: alguns pontos para compreender a nossa época. In: ___.; CUNHA, P. (Org.) Olhares sobre a cibercultura. Sulina: Porto Alegre, 2003.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

 

 

Palavras-chave:


Noções: