Verbetes:
adaptação às mudanças climáticas
albergue
amolador
analfabetismo-alfabetização
andarilho
aprender-ensinar
aquecimento global
arruaça
arruaceiro
artista
artista de rua
assentamento
aterro sanitário
auxílio moradia
bairro
bairro-educador
bairro-escola
benevolo, leonardo (1923-)
bicicletário
bicicletário (foto)
bifobia
bilhete único
bonde (foto)
buzinaço
calçada
calçadão
camelô
cão e urbanidade
cartilha
casa
casa e corrida (foto)
catador
censo
centro
centro de estudos da metrópole
centro, revitalização (foto)
ciber
ciberbullying
cibercondria
cibercultura
ciclista, ciclofaixa (foto)
cidad-e
cidadania
cidadão
cidade
cidade dormitório
cidade escola
cidade global
cidade-alfa
cisgÊnero
coletivo
comércio ilegal
comunidade
comunidade
condomínio
condomínio de luxo
condomínio fechado
condomínio horizontal
congestionamento (foto)
container de lixo (foto)
contrabando
conurbação
corpografia
corrupção
cortiço
crime
crônica urbana
cultura e espaço
denúncia
denuncismo
desastre natural
disciplina
domicílio
droga
elevado
enchente
escola
escola de samba
espoliação urbana
estelionato
eutopia
exclusão espacial
favela
favela
favelização
feminismo
flanelinha
fobia
forma escolar
fragmentação econômica
fragmentação espacial
fragmentação social
furto
gari
globalization and world cities research network (gawc)
guardador de carros
habitante
hídrico
história da cidade (livro)
homicídio
ignorância
inclusão espacial
instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
integração (transporte)
internetês
invasão
ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
janelas
laboratório de estudos urbanos
lagoa
lagoa (foto)
lambe-lambe
largo
lembranças escolares
lesbofobia
lixão
lixeiras (foto)
lixeiro
lixo
lote
loteamento
machismo
malabar
mancha urbana
manifestação
marginal
marginalidade
megalópole
memória metálica
mendigo
metrópole
metrópole (foto)
metrópole e cultura
metrópole e tráfego (vídeo)
metropolização
ministério da saúde
ministério das cidades
ministério do trabalho e emprego
mitigação das mudanças climáticas
mobilidade
mocambo
monumento
moradia
morador
movimento pendular
mudança climática
mulher
município
município
muro
nômade
observatório das metrópoles
ocupação
organização mundial da saúde (oms)
organizador local
panelaço
panfleteiro
patrick geddes
pedestre
pedinte
periferia
pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
pet
pipoqueiro
pirataria
polícia
polissemia
população em situação de rua
população residente
praça
praça adotada
praça de alimentação
praça histórica (foto)
praça identitária
praça seca
praça seca (foto)
prisma faces entrelaçadas
puxadinho
região metropolitana
rodovia e região metropolitana (foto)
romeiro
roubo
rua
ruão
ruído urbano
saber urbano e linguagem
saltimbanco
santidade
saúde (na constituição)
segurança pública
sem-carro
sinaleiro
solo urbano
sorveteiro
subúrbio
telecentro
trabalho informal
tráfego (foto)
tráfico
transeunte
transfobia
transporte
transporte aquaviário
transporte ferroviário
transporte rodoviário
transporte urbano
trecheiro
utopia
vadia
vagabundo
varredor
vazio urbano
viaduto
-metrópole
-população em situação de rua
-ruído urbano
-utopia
-região metropolitana
-centro de estudos da metrópole
-observatório das metrópoles
-bilhete único
-mancha urbana
-janelas
-praça de alimentação
-município
-globalization and world cities research network (gawc)
-cidade-alfa
-cidade global
-movimento pendular
-metropolização
-rodovia e região metropolitana (foto)
-viaduto
-mendigo
-transporte
-transporte ferroviário
-transporte aquaviário
-transporte rodoviário
-crônica urbana
-sem-carro
-censo
-instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
-domicílio
-população residente
-transporte urbano
-elevado
-integração (transporte)
-loteamento
-buzinaço
-ministério das cidades
-espoliação urbana
-fragmentação espacial
-fragmentação econômica
-fragmentação social
-exclusão espacial
-inclusão espacial
-bicicletário
-calçadão
-amolador
-pedestre
-romeiro
-transeunte
-nômade
-megalópole
-cidade dormitório
-bonde (foto)
-congestionamento (foto)
-bicicletário (foto)
-ciclista, ciclofaixa (foto)
-metrópole e tráfego (vídeo)
-metrópole e cultura
-Geddes, Patrick
-favela
-metrópole (foto)
-tráfego (foto)
-largo
-cidadania
-cidade
-analfabetismo-alfabetização
-município
-bairro
-favela
-invasão
-ocupação
-cortiço
-comunidade
-morador
-habitante
-moradia
-casa
-centro
-subúrbio
-periferia
-marginal
-marginalidade
-cidad-e
-pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
-eutopia
-laboratório de estudos urbanos
-saber urbano e linguagem
-condomínio horizontal
-crime
-segurança pública
-santidade
-hídrico
-aterro sanitário
-escola
-pirataria
-lixo
-assentamento
-ministério do trabalho e emprego
-catador
-lixeiro
-varredor
-gari
-artista
-camelô
-flanelinha
-panfleteiro
-pedinte
-pipoqueiro
-sorveteiro
-vagabundo
-guardador de carros
-saltimbanco
-comércio ilegal
-trabalho informal
-coletivo
-benevolo, leonardo (1923-)
-história da cidade (livro)
-lote
-condomínio fechado
-ministério da saúde
-puxadinho

conurbação

José Horta Nunes


O termo conurbação, significando junção de cidades com seus arredores, é um dos que surgiram com a consolidação do urbanismo enquanto uma “ciência”, com todas as especificidades que aí são admitidas, inclusive a de propor um estudo em que se baseie o planejamento urbano. Atualmente, esse termo aparece nas falas de urbanistas, na mídia, nos discursos governamentais, e em alguns setores específicos da administração, como o do transporte urbano e interurbano e o do trabalho. Ele é utilizado também para definir o que seja uma metrópole ou região metropolitana, definindo os seus contornos. Ao ser introduzido no urbanismo, no início do século XX, ele marcou certos direcionamentos de sentido, porém, quando utilizado no discurso cotidiano, muitas vezes tal memória é diluída.

Nos dicionários de língua portuguesa da atualidade, o termo está presente, seja como de sentido geral, no Aurélio (1999), seja marcado como de especialidade do urbanismo, no Houaiss (2001). Com uma ou outra alteração, o que prevalece é a significação de reunião de cidades ou de uma cidade com seus arredores ou “subúrbios”, como nesta definição do dicionário Aurélio: “Conurbação. Conjunto formado por uma cidade e seus subúrbios, ou por cidades reunidas, que constituem uma sequência, sem, contudo se confundirem.” (FERREIRA, 1999). Esse dicionário dá como exemplo : “No Brasil, o ABCD (cidades de Santo André, São Bernardo do Campo , e São Caetano do Sul e Diadema), que tem por núcleo a cidade de São Paulo, é exemplo de conurbação.” (Idem). Os termos matemáticos utilizados na definição (“conjunto”, sequência”) fazem com que os aspectos espaciais, sociais, político-administativos não apareçam aí significados, bem como a historicidade do conceito.

Em uma consulta à Wikipedia, notamos a indicação do escocês Patrick Geddes como introdutor do termo nos estudos do urbanismo. No livro Cidades em Evolução, do autor (1994), cuja primeira edição em inglês é de 1915, a definição de conurbação é encontrada quando se trata das grandes aglomerações urbanas que se sucederam ao processo de industrialização na Grã-Bretanha e de outras regiões da Europa:

 

Para enfocar esses desenvolvimentos, na verdade transformações, da tradição geográfica da cidade e do campo, onde crescemos, e expressá-los com mais propriedade, precisamos de um pequeno aumento do nosso vocabulário; a expressão de uma nova idéia, para a qual ainda não existe um vocábulo, merece uma nova palavra. Essas cidades-região, essas cidades-agrupamento, pedem um nome. Não podemos chamá-las constelações; o vocabulário conglomerações parece mais próximo da realidade presente, mas ainda não é pertinente. E conurbações? Essa talvez seja a palavra necessária, a expressão dessa nova forma de agrupamento demográfico, que já está, subconscientemente, desenvolvendo novas formas de agrupamento social, e, em seguida, de governo e administração bem definidos. (GEDDES, 1994, p. 48)

 

Este enunciado de Geddes, marcado pela heterogeneidade enunciativa, pelas paráfrases, sinonímias, polissemias, na busca pelo nome “exato”, atesta o momento de formulação de um conceito da “nova ciência” que então se configurava: o urbanismo, renovado, segundo Geddes, com a “ciência de educação democrática (civics)”. Como se nota nessa sequência, o sentido de conurbação não contempla apenas o de uma aglomeração ou reunião de cidades em um espaço abstrato, mas está ligada a uma “nova forma de agrupamento demográfico” que leva a “novas formas de agrupamento social”, de “governo” e de “administração”. Inseridas no urbanismo, tais diretrizes compõem as práticas a serem implementadas no planejamento das cidades. Note-se a dimensão temporal configurada, com o “agrupamento social” estando à frente do que “depois” virá como “governo” e “administração”. Isso vai de par com a concepção urbanística do autor, segundo a qual, primeiramente se deve efetuar um “levantamento” das aglomerações de cidades para em seguida realizar as práticas administrativas, o que leva a uma pesquisa geográfica e sócio-histórica das cidades, efetuada previamente. O autor apresenta em sua obra um estudo das grandes cidades e aglomerações britânicas e de outras “capitais mundiais” e “regiões urbanas”. A abordagem que ele faz da “Grande Londres” nos dá uma pista sobre as questões e o método que ele propõe para o levantamento dessas áreas:

 

É interessante, e necessário, fazer um levantamento histórico de Londres – uma embriologia, por assim dizer -, desse todo colossal. Começaríamos por suas duas cidades históricas; incluiríamos seus inúmeros vilarejos, como se desenvolveram antes de ser absorvidos; registraríamos, porque seria fácil esquecê-las, suas incontáveis vilas antigas e aldeias já absorvidas, suas áreas-dormitório crescendo como cogumelos, desordenadas e incompatíveis para os ricos, mais acessíveis para a classe média – e onde colocaremos o trabalhador e o pobre? (GEDDES, 1994, p. 44)

 

O que impressiona na leitura de Geddes é que ele busca descrever não as cidades, mas as “conurbações”, as regiões, as aglomerações, e ao analisar várias regiões, são diferentes e múltiplas as formas encontradas. Segundo sua visão evolutiva, que vai do natural ao social e histórico, as cidades se transformam rumo ao “progresso”. A história das cidades é considerada, com a revalorização das cidades medievais. Com as transformações históricas surgem as novas funcionalidades, como a da “cidade dormitório”.  O sentido caótico se apresenta, como uma matriz de sentido que depois se repetiria até nossos dias. A desigualdade social também está marcada com a descrição das classes sociais. Não temos ainda a preponderância dos automóveis, visto que as ferrovias predominavam na ligação entre as cidades. As conurbações britânicas, segundo o autor, resultam mais fortemente da Era Industrial, que em uma primeira etapa corresponderia aos desenvolvimentos das minas de carvão, da máquina a vapor, das ferrovias, dos mercados, das cidades industriais. Geddes chama esse período de “Paleotécnica”, marcado pela “rudeza”, pela “competição”, pelo “esgotamento”. Em oposição, o autor considerava um “avanço para um estágio mais alto da civilização industrial”, o que ele chama de período da “Neotécnica”, quando os ideais de vida, planejamento, higiene, beleza passariam a predominar. Assim, desse ponto de vista evolucionista, o estudo da conurbação, por meio de levantamentos das aglomerações urbanas, levaria a um período de planejamento urbano como forma mais avançada de civilização.

Na conjuntura brasileira atual, a Constituição de 1988 prevê a possibilidade de os Estados federativos instituirem regiões metropolitanas constituídas por “agrupamentos de municípios limítrofes”, visando ao planejamento. Porém, não encontramos no texto constitucional a palavra “conurbação” e nem se fala de sociedade ou economia das regiões metropolitanas. Já o texto de uma das constituições federativas, a do Estado de São Paulo, é mais específico e nele vemos o termo conurbação como definidor de região metropolitana. O capítulo II dessa Constituição, na Seção II – Entidades Regionais, prevê a divisão do “território” estadual, mediante lei complementar, em “entidades regionais”, tendo em vista “integrar a organização, o planejamento e a execução de funções públicas de interesse comum, atendidas as respectivas peculiaridades”. Sendo a “região metropolitana” uma dessas entidades regionais, um de seus traços definidores é a “conurbação”:

 

Considera-se região metropolitana o agrupamento de Municípios limítrofes que assuma destacada expressão nacional, em razão de elevada densidade demográfica, significativa conurbação e de funções urbanas e regionais com alto grau de diversidade, especialização e integração sócio-econômica, exigindo planejamento integrado e ação conjunta permanente dos entes públicos nela atuantes. (CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO, Seção II, Artigo 153, §1º)

 

Nesse sentido, a “região metropolitana” se distingue, na constituição estadual, das outras entidades regionais, a saber: da aglomeração urbana em que há “relação de integração funcional de natureza econômico-social e urbanização contínua” e da microregião, em que há “relações de interação funcional de natureza físico-territorial, econômico-social e administrativa”, visto que nestas não se indica o traço de conurbação como constitutivo. Desse modo, a conurbação, ao lado da “elevada densidade demográfica”, é um traço que caracteriza a região metropolitana e que coloca em jogo o planejamento de ações que lidem com esse fato. Note-se que “conurbação” aparece como um pré-construído (algo dito antes e independentemente) e não se encontra no restante do texto da constituição estadual uma definição explícita dessa noção.

Um cotejo da definição de Geddes, apresentada mais acima, com a definição da constituição estadual de São Paulo aponta para algumas substituições lexicais. Enquanto em Geddes, o agrupamento demográfico é parafraseado por “agrupamento social”, seguido de “governo” e “administração”, na Constituição de São Paulo a questão demográfica é tratada do ponto de vista quantitativo (“densidade demográfica”) e o social é ligado não ao político mas ao econômico: “integração sócio-econômica”. Assim, o planejamento que aí se apresenta não é o de um levantamento histórico, social e político, mas científico (demográfico e econômico), o que conduz a um planejamento público ancorado no discurso de algumas das ciências do urbano, especificamente a demografia quantitativa e a economia.

As tentativas de organização da cidade, com a busca de legitimar e planejar as regiões conurbadas, muitas vezes são frustradas ou de difícil implementação, visto que em certos aspectos fogem aos poderes municipais e exigem iniciativas em colaboração. Assim, são muitas as críticas às tentativas de implementação das administrações regionais. Ao descrever a conurbação em andamento entre as cidades de Campinas e Sorocaba, a urbanista R. Rolnik afirma que “Entre Sorocaba e Campinas praticamente não há mais diferença, passa-se de um município a outro sem que haja nenhuma fronteira, nenhum espaço rural separando as duas cidades”. Com os investimentos nas rodovias, como a que liga Campinas a Sorocaba, ocorreu uma urbanização descontrolada. Rolnik considera que “toda essa urbanização dispersa que foi e continua acontecendo ao longo delas tende a tornar cada vez mais urgente essa questão”. Segundo ela, de nada adianta ter uma região metropolitana legal, como a que se está prevendo para a região de Sorocaba, se não houver uma “administração metropolitana ou supramunicipal”.

Mesmo assim, o imaginário das conurbações continua eficaz, projetando futuridades para unidades espaciais, por vezes retomando a discursividade das utopias. Em uma notícia do jornal O Estado de S. Paulo, datada de 03 de agosto de 2008 e intitulada A Primeira Macrometrópole do Hemisfério Sul (A PRIMEIRA, 2013), vemos a previsão de uma “macrometrópole” unindo algumas regiões metropolitanas ao leste do Estado de São Paulo:

 

Na projeção da Emplasa, a macrometrópole deverá ser ainda maior com a conurbação de São Paulo e Campinas com a Baixada Santista, o Vale do Paraíba e a região Piracicaba-Limeira, totalizando 28 milhões de habitantes em 102 municípios. É questão de alguns anos para a mancha urbana pôr os pés na areia. "Pensávamos que Lagos, capital da Nigéria, seria a primeira macrometrópole do Hemisfério Sul, mas o que se observa entre São Paulo e Campinas é a sinergia entre estruturas de serviços e transportes que ainda não existe em países populosos da África", diz Jurandir Fernandes, presidente da Emplasa. À frente da macrometrópole brasileira estão as regiões de Tóquio-Kobe, a chinesa Xangai e Cidade do México. (A PRIMEIRA, 2013, s.p.)

 

A Emplasa (Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano), órgão vinculado ao governo estadual, é uma das instituições que buscam realizar ações que envolvam diferentes poderes municipais para lidar com questões metropolitanas. Embora o discurso da notícia de jornal em alguns momentos retome a memória dos conquistadores bandeirantes, exaltando positivamente números e projeções populacionais e econômicas, nota-se também a visão crítica a essas projeções: “Mas, na visão do arquiteto Nestor Goulart Reis, da USP, isso jamais ocorreu. ‘A Emplasa nunca conseguiu construir um envolvimento dos prefeitos para a adoção de medidas conjuntas que pudessem trazer benefícios em comum para as regiões’, critica. ‘Não existe uma gestão homogênea.’”. Assim, retorna a contradição que marca os sentidos de conurbação, de um lado como projeção de unidade espacial e, de outro, como inviabilidade administrativa.

Nas últimas décadas, os estudos das conurbações são marcados pelas mudanças que afetaram as cidades, tais como a globalização, a fragmentação, a desigualdade, as transformações do trabalho (flexibilidade, inovação, geração de emprego), a multiculturalidade, as novas tecnologias, etc. Em uma coletânea de trabalhos dedicados à análise da região metropolitana de Los Angeles (SOJA, 2000), as mudanças nas citades contemporâneas são denominadas de posmetrópolis (postmetropolis). Os acontecimentos relacionados aos chamados “tumultos de Los Angeles” (Los Angeles Riots), ocorridos em 1992, são citados nessa coletânea como um indicador de uma nova etapa no modo de observar e planejar as cidades, visto que aponta para uma crise da urbanidade, uma “explosão da Cidade Global”. Essa crise teria sido ocasionada pelos efeitos do planejamento das “cidades modernas”, dentre os quais a segregação espacial, a desigualdade, a pobreza, a violência aleatória, a polarização racial, o descontrole social, as alterações do mercado de trabalho, a estrutura espacial do privilégio, dentre outros fatores. Diante dessa situação de “crise”, os autores enxergam novas práticas na busca de uma “democracia regional”, voltada para o “juntos na diferença”, para a luta pelos direitos civis, envolvendo organizações não-governamentais, lideranças, movimentos, que levem a uma “consciência espacial” com sensibilidade para questões transculturais, transnacionais, de gênero, e outras que promovam a “justiça espacial”.

O espaço discursivo mobilizado pela noção de conurbação se apresenta como uma sobreposição do discurso administrativo oficial, visto que as aglomerações regionais não se sustentam em um discurso jurídico estabilizado, ou, quando legitimadas, não se limitam às diretrizes da municipalidade. Isso faz com que o discurso sobre as regiões conurbadas funcione ao modo de um desdobramento político (de planejamento, de utopia, de futuridade, de administração suplementar), alicerçada na sociedade civil e nas instâncias não-governamentais, culturais, identitárias, frequentemente com bases regionalistas ou naturalistas, sobre as quais se ergueria o mundo social, econômico, histórico e político.

 

Referências bibliográficas

 

BLOG DA RAQUEL ROLNIK. http://raquelrolnik.wordpress.com/tag/conurbacao. Acesso em 10/04/2013.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ constituicao/constituicao.htm. Acesso em 14 de maio de 2013.

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO.

http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/constituicao/1989/constituicao%20de%2005.10.1989.htm. Acesso em 14/05/13.

FERREIRA, A. B. de H. Novo Aurélio Século XXI: o Dicionário da Língua Portuguesa. 3ª ed. totalmente revista e ampliada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

HOUAISS, Antônio, e Mauro de Salles VILLAR. Dicionário Houaiss da língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

GEDDES, Patrick. Cidades em Evolução. Tradução: Maria José Ferreira de Castilho. Campinas: Papirus, 1994.

A PRIMEIRA Macrometrópole do Hemisfério Sul. O Estado de S. Paulo - Online, Caderno Megacidades – Grandes Reportagens, São Paulo, 03 de agosto de 2008. http://www.estadao.com.br/megacidades/sp_mancha.shtm. Acesso em 14/05/2013.

SOJA, E. W. Postmetropolis - Critical Studies of Cities and Regions. Oxford (UK)/Malden (USA): Blackwel Publishers, 2000.

 

 

Palavras-chave:

industrialização
  -metrópole
  -população em situação de rua
  -ruído urbano
  -utopia

região metropolitana
  -metrópole
  -região metropolitana
  -centro de estudos da metrópole
  -observatório das metrópoles
  -bilhete único
  -mancha urbana
  -janelas
  -praça de alimentação
  -município
  -globalization and world cities research network (gawc)
  -cidade-alfa
  -cidade global
  -movimento pendular
  -metropolização
  -rodovia e região metropolitana (foto)

transporte
  -viaduto
  -metrópole
  -mendigo
  -transporte
  -transporte ferroviário
  -transporte aquaviário
  -transporte rodoviário
  -crônica urbana
  -sem-carro
  -bilhete único
  -ruído urbano
  -censo
  -instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
  -domicílio
  -população residente
  -transporte urbano
  -elevado
  -integração (transporte)
  -utopia
  -loteamento
  -buzinaço
  -ministério das cidades
  -espoliação urbana
  -fragmentação espacial
  -fragmentação econômica
  -fragmentação social
  -exclusão espacial
  -inclusão espacial
  -bicicletário
  -calçadão
  -amolador
  -pedestre
  -romeiro
  -transeunte
  -nômade
  -município
  -megalópole
  -movimento pendular
  -cidade dormitório
  -bonde (foto)
  -congestionamento (foto)
  -rodovia e região metropolitana (foto)
  -bicicletário (foto)
  -ciclista, ciclofaixa (foto)
  -metrópole e tráfego (vídeo)

metrópole
  -metrópole e cultura
  -Geddes, Patrick
  -favela
  -mendigo
  -região metropolitana
  -centro de estudos da metrópole
  -observatório das metrópoles
  -transporte
  -bilhete único
  -mancha urbana
  -janelas
  -metrópole (foto)
  -ministério das cidades
  -praça de alimentação
  -município
  -globalization and world cities research network (gawc)
  -cidade-alfa
  -cidade global
  -megalópole
  -movimento pendular
  -metropolização
  -tráfego (foto)
  -rodovia e região metropolitana (foto)
  -metrópole e tráfego (vídeo)

aglomeração urbana
  -observatório das metrópoles

Campinas
  -largo

capital mundial

cidade
  -cidadania
  -cidade
  -analfabetismo-alfabetização
  -favela
  -região metropolitana
  -centro de estudos da metrópole
  -observatório das metrópoles
  -município
  -bairro
  -favela
  -invasão
  -ocupação
  -cortiço
  -comunidade
  -morador
  -habitante
  -moradia
  -casa
  -centro
  -subúrbio
  -periferia
  -marginal
  -marginalidade
  -cidad-e
  -censo
  -pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
  -domicílio
  -população residente
  -utopia
  -eutopia
  -janelas
  -ministério das cidades
  -laboratório de estudos urbanos
  -saber urbano e linguagem
  -condomínio horizontal
  -crime
  -segurança pública
  -município
  -globalization and world cities research network (gawc)
  -cidade-alfa
  -megalópole
  -cidade dormitório
  -metropolização
  -santidade
  -rodovia e região metropolitana (foto)

cidade global
  -região metropolitana
  -município
  -globalization and world cities research network (gawc)
  -cidade-alfa
  -cidade global
  -megalópole

Diadema

Grã-Bretanha

Londres
  -cidade-alfa

macrometrópole
  -hídrico

mancha urbana
  -mancha urbana
  -condomínio horizontal
  -metropolização

megalópole
  -Geddes, Patrick
  -mendigo
  -município
  -globalization and world cities research network (gawc)
  -cidade-alfa
  -megalópole

microregião

Noruega

Paris

planejamento urbano
  -Geddes, Patrick
  -aterro sanitário
  -domicílio
  -população residente
  -mancha urbana
  -loteamento
  -ministério das cidades
  -movimento pendular

posmetrópolis

região urbana
  -Geddes, Patrick

Santo André

São Bernardo do Campo

São Caetano do Sul

São Paulo
  -cidade-alfa

Sorocaba

subúrbio
  -município
  -bairro
  -favela
  -invasão
  -ocupação
  -cortiço
  -comunidade
  -morador
  -habitante
  -moradia
  -casa
  -centro
  -subúrbio
  -periferia
  -marginal
  -marginalidade

trabalho
  -escola
  -pirataria
  -mendigo
  -população em situação de rua
  -lixo
  -aterro sanitário
  -instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
  -utopia
  -assentamento
  -espoliação urbana
  -fragmentação espacial
  -fragmentação social
  -exclusão espacial
  -inclusão espacial
  -bicicletário
  -ministério do trabalho e emprego
  -catador
  -lixeiro
  -varredor
  -gari
  -amolador
  -artista
  -camelô
  -flanelinha
  -panfleteiro
  -pedinte
  -pipoqueiro
  -sorveteiro
  -vagabundo
  -guardador de carros
  -saltimbanco
  -movimento pendular
  -comércio ilegal
  -trabalho informal
  -coletivo
  -congestionamento (foto)
  -rodovia e região metropolitana (foto)
  -bicicletário (foto)

urbanismo
  -Geddes, Patrick
  -benevolo, leonardo (1923-)
  -história da cidade (livro)
  -eutopia
  -lote
  -laboratório de estudos urbanos
  -condomínio fechado
  -condomínio horizontal
  -ministério da saúde
  -puxadinho
  -congestionamento (foto)
  -rodovia e região metropolitana (foto)

vila

vilarejo




Noções:
administração
  -metrópole
  -mendigo
  -saber urbano e linguagem
  -furto

Urbanismo
  -metrópole e cultura
  -Geddes, Patrick
  -solo urbano
  -transporte urbano
  -elevado
  -utopia
  -eutopia
  -mancha urbana
  -lote
  -ministério da saúde
  -calçadão
  -praça adotada
  -congestionamento (foto)
  -tráfego (foto)
  -centro, revitalização (foto)
  -ciclista, ciclofaixa (foto)

Transporte
  -viaduto
  -transporte urbano
  -elevado
  -integração (transporte)
  -buzinaço
  -ministério das cidades
  -bicicletário
  -andarilho
  -pedestre
  -transeunte
  -guardador de carros
  -movimento pendular
  -bonde (foto)
  -congestionamento (foto)
  -rodovia e região metropolitana (foto)
  -bicicletário (foto)
  -ciclista, ciclofaixa (foto)
  -metrópole e tráfego (vídeo)

Sociedade
  -metrópole e cultura
  -comunidade
  -transporte
  -assentamento
  -buzinaço
  -denuncismo
  -saber urbano e linguagem
  -fragmentação espacial
  -fragmentação social
  -exclusão espacial
  -inclusão espacial
  -pet
  -muro
  -condomínio fechado
  -condomínio horizontal
  -condomínio de luxo
  -bicicletário
  -saúde (na constituição)
  -corrupção
  -droga
  -praça
  -sinaleiro
  -calçada
  -calçadão
  -praça identitária
  -auxílio moradia
  -enchente
  -desastre natural
  -mocambo
  -organizador local
  -coletivo
  -praça seca (foto)