Verbetes:
adaptação às mudanças climáticas
albergue
amolador
analfabetismo-alfabetização
andarilho
aprender-ensinar
aquecimento global
arruaça
arruaceiro
artista
artista de rua
assentamento
aterro sanitário
auxílio moradia
bairro
bairro-educador
bairro-escola
benevolo, leonardo (1923-)
bicicletário
bicicletário (foto)
bifobia
bilhete único
bonde (foto)
buzinaço
calçada
calçadão
camelô
cão e urbanidade
cartilha
casa
casa e corrida (foto)
catador
censo
centro
centro de estudos da metrópole
centro, revitalização (foto)
ciber
ciberbullying
cibercondria
cibercultura
ciclista, ciclofaixa (foto)
cidad-e
cidadania
cidadão
cidade
cidade dormitório
cidade escola
cidade global
cidade-alfa
cisgÊnero
coletivo
comércio ilegal
comunidade
comunidade
condomínio
condomínio de luxo
condomínio fechado
condomínio horizontal
congestionamento (foto)
container de lixo (foto)
contrabando
conurbação
corpografia
corrupção
cortiço
crime
crônica urbana
cultura e espaço
denúncia
denuncismo
desastre natural
disciplina
domicílio
droga
elevado
enchente
escola
escola de samba
espoliação urbana
estelionato
eutopia
exclusão espacial
favela
favela
favelização
feminismo
flanelinha
fobia
forma escolar
fragmentação econômica
fragmentação espacial
fragmentação social
furto
gari
globalization and world cities research network (gawc)
guardador de carros
habitante
hídrico
história da cidade (livro)
homicídio
ignorância
inclusão espacial
instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
integração (transporte)
internetês
invasão
ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
janelas
laboratório de estudos urbanos
lagoa
lagoa (foto)
lambe-lambe
largo
lembranças escolares
lesbofobia
lixão
lixeiras (foto)
lixeiro
lixo
lote
loteamento
machismo
malabar
mancha urbana
manifestação
marginal
marginalidade
megalópole
memória metálica
mendigo
metrópole
metrópole (foto)
metrópole e cultura
metrópole e tráfego (vídeo)
metropolização
ministério da saúde
ministério das cidades
ministério do trabalho e emprego
mitigação das mudanças climáticas
mobilidade
mocambo
monumento
moradia
morador
movimento pendular
mudança climática
mulher
município
município
muro
nômade
observatório das metrópoles
ocupação
organização mundial da saúde (oms)
organizador local
panelaço
panfleteiro
patrick geddes
pedestre
pedinte
periferia
pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
pet
pipoqueiro
pirataria
polícia
polissemia
população em situação de rua
população residente
praça
praça adotada
praça de alimentação
praça histórica (foto)
praça identitária
praça seca
praça seca (foto)
prisma faces entrelaçadas
puxadinho
região metropolitana
rodovia e região metropolitana (foto)
romeiro
roubo
rua
ruão
ruído urbano
saber urbano e linguagem
saltimbanco
santidade
saúde (na constituição)
segurança pública
sem-carro
sinaleiro
solo urbano
sorveteiro
subúrbio
telecentro
trabalho informal
tráfego (foto)
tráfico
transeunte
transfobia
transporte
transporte aquaviário
transporte ferroviário
transporte rodoviário
transporte urbano
trecheiro
utopia
vadia
vagabundo
varredor
vazio urbano
viaduto

mulher

Ana Lídia Puia


Historicamente a mulher foi constituída por uma série de discursos, como o discurso patriarcal e o familiar, que demarcaram não só sua posição na sociedade, mas que também contribuíram para a circulação de imagens ora afirmativas ora negativas do sujeito feminino. Atualmente, no Brasil, a mulher também passou a ser significada pelo discurso das políticas públicas. Tal discurso, ao funcionar em meio ao social e ao urbano, demarca e define o sujeito feminino por meio dos dizeres administrativo e jurídico. Já, ao se voltar para o dicionário, buscou-se observar como a história e o social contribuem não só para a construção de imagens da mulher, mas também para a constituição de suas posições sociais.

Assim, com base na análise do verbete mulher, coletado em 5 diferentes dicionários de língua portuguesa[1], verificou-se que o sujeito feminino é, predominantemente, definido por meio de um discurso biológico e fisiológico, depois por meio de um discurso jurídico, e, por último, por meio de um discurso que leva em consideração as posições que a mulher ocupa socialmente, como as posições de dona de casa e prostituta, marcadas por locuções como mulher do lar e mulher de programa, respectivamente. A figura feminina aparece significada pelo discurso biológico em definições como: “MULHER, A fêmea na espécie humana; pessoa do sexo feminino” (Freire, 1943) e “mulher, 1 indivíduo do sexo feminino, considerado do ponto de vista das características biológicas” (Houaiss, 2007). Já o discurso jurídico, manifesta-se em definições tal como a que se segue: “mulher. 7. Cônjuge do sexo feminino; a mulher em relação ao marido; esposa” (Aurélio, 1999).

Por último, a mulher é significada por meio de locuções adjetivas que se fazem presentes ora no interior do próprio verbete, como sub-entradas, ora constituindo um novo verbete. As locuções são tomadas aqui não estritamente de um ponto de vista linguístico, mas em sua relação com as condições de produção, uma vez que tais locuções funcionam para especificar e diferenciar as diversas posições que o sujeito feminino ocupa na sociedade. Isto se dá na medida em que, isolada, a palavra mulher significa “o ser humano do sexo feminino” (Aurélio, 1999), já, ligada à locução, a mulher passa a assumir posições socialmente e historicamente determinadas. Assim, locuções como mulher da vida, mulher de casa, mulher de negócios ou mulher a dias marcam discursivamente as posições sociais de prostituta, de dona de casa, de executiva e de doméstica, respectivamente.

Além disso, constatou-se que a posição social de prostituta ocupa, no interior do verbete, um papel significativo na caracterização da mulher. Há também a presença de enunciados que levam à construção de imagens depreciativas do sujeito feminino, como: “mulher 8.2.3 insensato, superficial, volúvel (aquela mulher troca tanto de marido quanto da cor do cabelo)” (Houaiss, 2007). Já, quanto se faz referência a qualidades culturalmente ditas femininas, lança-se mão de um discurso irônico, “mulher 8.2.2 sensível, delicado, afetivo, intuitivo (como mulher chora em todo filme romântico), ou de imagens que marcam discursivamente uma posição submissa da mulher frente à figura masculina, “mulher 8.2 fraco fisicamente, sem defesa: apelidado de ‘o sexo frágil’ (o que pode a mulher contra um homem em sua fúria?)” (Houaiss, 2007). 

Observou-se, ainda, que há uma tendência em opor o espaço privado e o espaço público na constituição das posições de dona de casa e de prostituta. No espaço privado, estaria a posição de dona de casa e, consequentemente, a construção da imagem de uma mulher que cuida de sua família, que assume obrigações domésticas, ou seja, que, de uma forma ou de outra, garantiria o bem estar e a ordem no ambiente familiar. Uma ordem, portanto, que se caracteriza pela figura histórica da “mãe de família”. Já no espaço público, estaria a posição de prostituta e a imagem de uma mulher perniciosa, que é desprestigiada socialmente pela sua atividade social e que, ao contrário, contribuiria para a desarticulação de uma possível ordem familiar.

 

[1] o Grande e Novíssimo Dicionário da Língua Portuguesa (1943), de Laudelino Freire, o Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa (1974), de Caldas Aulete, o Grande Dicionário Brasileiro Melhoramentos (1975), Aurélio Século XXI: o Dicionário da Língua Portuguesa (1999) e o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (2007).

Palavras-chave:




Noções: