Verbetes:
adaptação às mudanças climáticas
albergue
amolador
analfabetismo-alfabetização
andarilho
aprender-ensinar
aquecimento global
arruaça
arruaceiro
artista
artista de rua
assentamento
aterro sanitário
auxílio moradia
bairro
bairro-educador
bairro-escola
benevolo, leonardo (1923-)
bicicletário
bicicletário (foto)
bifobia
bilhete único
bonde (foto)
buzinaço
calçada
calçadão
camelô
cão e urbanidade
cartilha
casa
casa e corrida (foto)
catador
censo
centro
centro de estudos da metrópole
centro, revitalização (foto)
ciber
ciberbullying
cibercondria
cibercultura
ciclista, ciclofaixa (foto)
cidad-e
cidadania
cidadão
cidade
cidade dormitório
cidade escola
cidade global
cidade-alfa
cisgÊnero
coletivo
comércio ilegal
comunidade
comunidade
condomínio
condomínio de luxo
condomínio fechado
condomínio horizontal
congestionamento (foto)
container de lixo (foto)
contrabando
conurbação
corpografia
corrupção
cortiço
crime
crônica urbana
cultura e espaço
denúncia
denuncismo
desastre natural
disciplina
domicílio
droga
elevado
enchente
escola
escola de samba
espoliação urbana
estelionato
eutopia
exclusão espacial
favela
favela
favelização
feminismo
flanelinha
fobia
forma escolar
fragmentação econômica
fragmentação espacial
fragmentação social
furto
gari
globalization and world cities research network (gawc)
guardador de carros
habitante
hídrico
história da cidade (livro)
homicídio
ignorância
inclusão espacial
instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
integração (transporte)
internetês
invasão
ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
janelas
laboratório de estudos urbanos
lagoa
lagoa (foto)
lambe-lambe
largo
lembranças escolares
lesbofobia
lixão
lixeiras (foto)
lixeiro
lixo
lote
loteamento
machismo
malabar
mancha urbana
manifestação
marginal
marginalidade
megalópole
memória metálica
mendigo
metrópole
metrópole (foto)
metrópole e cultura
metrópole e tráfego (vídeo)
metropolização
ministério da saúde
ministério das cidades
ministério do trabalho e emprego
mitigação das mudanças climáticas
mobilidade
mocambo
monumento
moradia
morador
movimento pendular
mudança climática
mulher
município
município
muro
nômade
observatório das metrópoles
ocupação
organização mundial da saúde (oms)
organizador local
panelaço
panfleteiro
patrick geddes
pedestre
pedinte
periferia
pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
pet
pipoqueiro
pirataria
polícia
polissemia
população em situação de rua
população residente
praça
praça adotada
praça de alimentação
praça histórica (foto)
praça identitária
praça seca
praça seca (foto)
prisma faces entrelaçadas
puxadinho
região metropolitana
rodovia e região metropolitana (foto)
romeiro
roubo
rua
ruão
ruído urbano
saber urbano e linguagem
saltimbanco
santidade
saúde (na constituição)
segurança pública
sem-carro
sinaleiro
solo urbano
sorveteiro
subúrbio
telecentro
trabalho informal
tráfego (foto)
tráfico
transeunte
transfobia
transporte
transporte aquaviário
transporte ferroviário
transporte rodoviário
transporte urbano
trecheiro
utopia
vadia
vagabundo
varredor
vazio urbano
viaduto

favelização

Dantielli Assumpção Garcia


Em um discurso da Administração Pública[1], é o processo pelo qual algumas áreas que já passaram por um desfavelamento sofrem. Ou seja, favelização é a degradação de antigos loteamentos populares. Estes começam a se tornar áreas de favelamentos. Contudo, por meio de ações da administração pública, esses lugares voltam a ser residenciais de baixa renda ou residenciais de interesse social, deixando de ser favelamentos. Já a Wikipédia[2] define favelização como “fenômeno social que ocorre em centros urbanos em que há o crescimento e proliferação das favelas em quantidade e em população, eventualmente associado à transferência da população local de moradias legalizadas para conjuntos urbanos irregulares”. Diferentemente da concepção da Wikipédia, no discurso da Administração Pública, o processo de favelização não ocorre em áreas urbanas irregulares, mas sim em áreas já legalizadas pela prefeitura. A Wikipédia traz também que o fenômeno da favelização ocorre em “grandes metrópoles de países subdesenvolvidos”. No estudo intitulado Pobreza e precariedade do habitat na América Latina[3], mostra-se que a precariedade é maior nas periferias das cidades do interior que, em sua maioria, não chegam a “receber ajuda federal”. Dessa maneira, aponta o estudo que áreas não centrais também sofrem um processo de favelização. Em Periferia e favelização avançam nas grandes cidades da América Latina[4], temos que “o problema das favelas ou da periferização não é exclusivo das metrópoles ou mesmo das cidades, também no meio rural existem locais com péssimas condições de moradia”. Além de ser algo que se passa no espaço urbano, conforme Jorge, o processo de favelização também pode ser observado no campo.

Assim, a favelização é um processo que se passa no espaço da cidade e do campo em que há a transformação desse espaço em áreas sem infra-estrutura e recursos para os sujeitos que ali vivem. Os dizeres sobre o processo de favelização são permeados por um discurso da administração pública – que tenta organizar as cidades para que estas sejam lugares “sem favelas” – por um discurso econômico-social – que aponta para uma carência de recursos financeiros dos sujeitos que vivem no espaço de favelização, de favelamentos – por um discurso da legalidade – indicando que o processo de favelização pode passar em áreas irregulares (no interior de um discurso da administração pública) ou em áreas legalizadas (também no interior de um discurso da administração pública).

 

[1]Conforme vemos no site da prefeitura de São José do Rio Preto (www.riopreto.sp.gov.br).

[3]Elaborados por Cepal (Comissão Econômica para América Latina). Em www.eclac.org. Acesso em 28 de Outubro de 2010.

[4]Texto de Wanda Jorge. Em www.cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v57n2/av57n2.pdf. Acesso em 28 de Outubro de 2010. Wanda Jorge possui graduação em jornalismo pela Faculdade Casper Líbero e especialização em jornalismo científico pela Universidade Estadual de Campinas. Atualmente é Editora da Universidade Estadual de Campinas e Membro de corpo editorial da Ciência e Cultura (SBPC).

Palavras-chave:




Noções: