Verbetes:
adaptação às mudanças climáticas
albergue
amolador
analfabetismo-alfabetização
andarilho
aprender-ensinar
aquecimento global
arruaça
arruaceiro
artista
artista de rua
assentamento
aterro sanitário
auxílio moradia
bairro
bairro-educador
bairro-escola
benevolo, leonardo (1923-)
bicicletário
bicicletário (foto)
bifobia
bilhete único
bonde (foto)
buzinaço
calçada
calçadão
camelô
cão e urbanidade
cartilha
casa
casa e corrida (foto)
catador
censo
centro
centro de estudos da metrópole
centro, revitalização (foto)
ciber
ciberbullying
cibercondria
cibercultura
ciclista, ciclofaixa (foto)
cidad-e
cidadania
cidadão
cidade
cidade dormitório
cidade escola
cidade global
cidade-alfa
cisgÊnero
coletivo
comércio ilegal
comunidade
comunidade
condomínio
condomínio de luxo
condomínio fechado
condomínio horizontal
congestionamento (foto)
container de lixo (foto)
contrabando
conurbação
corpografia
corrupção
cortiço
crime
crônica urbana
cultura e espaço
denúncia
denuncismo
desastre natural
disciplina
domicílio
droga
elevado
enchente
escola
escola de samba
espoliação urbana
estelionato
eutopia
exclusão espacial
favela
favela
favelização
feminismo
flanelinha
fobia
forma escolar
fragmentação econômica
fragmentação espacial
fragmentação social
furto
gari
globalization and world cities research network (gawc)
guardador de carros
habitante
hídrico
história da cidade (livro)
homicídio
ignorância
inclusão espacial
instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
integração (transporte)
internetês
invasão
ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
janelas
laboratório de estudos urbanos
lagoa
lagoa (foto)
lambe-lambe
largo
lembranças escolares
lesbofobia
lixão
lixeiras (foto)
lixeiro
lixo
lote
loteamento
machismo
malabar
mancha urbana
manifestação
marginal
marginalidade
megalópole
memória metálica
mendigo
metrópole
metrópole (foto)
metrópole e cultura
metrópole e tráfego (vídeo)
metropolização
ministério da saúde
ministério das cidades
ministério do trabalho e emprego
mitigação das mudanças climáticas
mobilidade
mocambo
monumento
moradia
morador
movimento pendular
mudança climática
mulher
município
município
muro
nômade
observatório das metrópoles
ocupação
organização mundial da saúde (oms)
organizador local
panelaço
panfleteiro
patrick geddes
pedestre
pedinte
periferia
pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
pet
pipoqueiro
pirataria
polícia
polissemia
população em situação de rua
população residente
praça
praça adotada
praça de alimentação
praça histórica (foto)
praça identitária
praça seca
praça seca (foto)
prisma faces entrelaçadas
puxadinho
região metropolitana
rodovia e região metropolitana (foto)
romeiro
roubo
rua
ruão
ruído urbano
saber urbano e linguagem
saltimbanco
santidade
saúde (na constituição)
segurança pública
sem-carro
sinaleiro
solo urbano
sorveteiro
subúrbio
telecentro
trabalho informal
tráfego (foto)
tráfico
transeunte
transfobia
transporte
transporte aquaviário
transporte ferroviário
transporte rodoviário
transporte urbano
trecheiro
utopia
vadia
vagabundo
varredor
vazio urbano
viaduto

coletivo

José Horta Nunes


O nome coletivo tem sido utilizado contemporaneamente para significar modos de organização de movimentos sociais, manifestações, protestos, reivindicações, e também diversas formas de trabalho em grupo. Os sujeitos dos coletivos são configurados como “grupo de indivíduos”, de modo a se trabalhar a contradição entre grupo e indivíduo, entre colaboração e liberdade.

As práticas dos coletivos têm se inserido amplamente na sociedade, e ao fazê-lo buscam demarcar os sentidos, sintonizando suas ligações e seus limites diante de outras práticas estabelecidas. Esses ajustes de sentido não se dão sem desencadeamento de polissemias, questionamentos, falhas, deslizamentos.

Observemos abaixo o modo como um coletivo de fotógrafos é significado em um texto que busca refletir sobre o aparecimento e a multiplicação deles:

“Em suas várias configurações possíveis, os coletivos de fotógrafos podem se confundir com uma cooperativa ou agência de fotografia, um banco de imagens, uma ‘indústria’ que otimiza a produção de obras visuais complexas; também com um laboratório de experimentação de linguagens, um grupo de estudos e pesquisas, uma produtora de eventos culturais. Muitos coletivos se identificam com uma ou outra dessas atividades. Alguns poucos se destacam pela liberdade de atuar simultaneamente em todas essas frentes. Não existe um discurso uniforme que dê conta de tudo o que hoje pode ser chamado de coletivo.” (ENLER, 2015).

Em meio a esses discursos de formação, de fundação, de institucionalização, sujeitos a uma série de “equívocos”, algumas regularidades podem ser identificadas. Considere-se incialmente que os coletivos se constituem com apoio em redes sociais por meio da tecnologia da Internet. A rede e o coletivo estão materialmente ligados, e isso determina sua forma de organização.

Algumas características dos coletivos são:

• tensão entre “núcleo central” e “descentralização”. Os coletivos apresentam um “núcleo central”, que apoia o grupo, mantém sites na Internet, fomenta discussões, divulga eventos locais, orienta atividades, ajuda no diálogo entre indivíduos e instituições. Com a descentralização, os organizadores locais, organizadores nacionais, apoiadores, colaboradores se responsabilizam, colaboram, compartilham trabalhos, se disponibilizam, se engajam.

• horizontalização e negação da verticalização. Pela mobilização em rede, as relações são consideradas “horizontais”, “coletivas”, sendo todos “membros” do coletivo. Para isso, faz parte desse discurso a negação das relações de verticalidade, incluídas aí as figuras de: líderes, coordenadores e diversas outras formas de autoridade hierárquica.

• deslocamentos na noção de autoria. Os trabalhos realizados em forma de coletivo, de um lado, questionam a autoria individual, sustentando uma autoria coletiva: o nome do coletivo se apresenta como marca de uma autoria de grupo. Ao mesmo tempo, na medida em que se trata de grupos de indivíduos ou de instituições, de diferentes procedências, há uma ampla margem de iniciativas individuais, locais, que se instalam nos coletivos, com suas marcas de autoria.

 

Bibliografia

ENTLER, Ronaldo. Os coletivos e o redimensionamento da autoria fotográfica. Studium, nº 32, p.. 33-51. Campinas:  Laboratório de Media e Tecnologias de Comunicação/UNICAMP. Disponível em:  http://www.studium.iar.unicamp.br/32/3.html. Acesso em: 12/04/2015.

MARCHA DA MACONHA. [Site a favor da legalização da maconha]. [S.l.], [20--]. Disponível em: http://www.marchadamaconha.org. Acesso em: 04 jan. 2013.

Palavras-chave:

trabalho
  -conurbação
  -escola
  -pirataria
  -mendigo
  -população em situação de rua
  -lixo
  -aterro sanitário
  -instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
  -utopia
  -assentamento
  -espoliação urbana
  -fragmentação espacial
  -fragmentação social
  -exclusão espacial
  -inclusão espacial
  -bicicletário
  -ministério do trabalho e emprego
  -catador
  -lixeiro
  -varredor
  -gari
  -amolador
  -artista
  -camelô
  -flanelinha
  -panfleteiro
  -pedinte
  -pipoqueiro
  -sorveteiro
  -vagabundo
  -guardador de carros
  -saltimbanco
  -movimento pendular
  -comércio ilegal
  -trabalho informal
  -congestionamento (foto)
  -rodovia e região metropolitana (foto)
  -bicicletário (foto)

movimento social
  -solo urbano
  -transporte
  -assentamento
  -buzinaço
  -organizador local

coletivo
  -transporte
  -integração (transporte)
  -panelaço
  -organizador local

líder
  -transporte
  -organizador local

política
  -sem-carro
  -bilhete único
  -organização mundial da saúde (oms)
  -ministério do trabalho e emprego
  -panfleteiro
  -organizador local

rede
  -mobilidade

fotógrafo
  -elevado

político
  -eutopia
  -assentamento
  -arruaça
  -panelaço
  -buzinaço
  -fragmentação econômica
  -mudança climática
  -organizador local

voluntário
  -cão e urbanidade

horizontalização
  -condomínio horizontal
  -praça histórica (foto)

descentralização
  -saúde (na constituição)

organizador local
  -organizador local

redes sociais
  -organizador local

colaboração

manifestação social

grupo

indivíduo

liberdade

autoria

equívoco

núcleo central

autoria coletiva




Noções: