Verbetes:
adaptação às mudanças climáticas
albergue
amolador
analfabetismo-alfabetização
andarilho
aprender-ensinar
aquecimento global
arruaça
arruaceiro
artista
artista de rua
assentamento
aterro sanit√°rio
auxílio moradia
bairro
bairro-educador
bairro-escola
benevolo, leonardo (1923-)
biciclet√°rio
biciclet√°rio (foto)
bifobia
bilhete √ļnico
bonde (foto)
buzinaço
calçada
calçadão
camel√ī
c√£o e urbanidade
cartilha
casa
casa e corrida (foto)
catador
censo
centro
centro de estudos da metrópole
centro, revitalização (foto)
ciber
ciberbullying
cibercondria
cibercultura
ciclista, ciclofaixa (foto)
cidad-e
cidadania
cidad√£o
cidade
cidade dormitório
cidade escola
cidade global
cidade-alfa
cisgÊnero
coletivo
comércio ilegal
comunidade
comunidade
condomínio
condomínio de luxo
condomínio fechado
condomínio horizontal
congestionamento (foto)
container de lixo (foto)
contrabando
conurbação
corpografia
corrupção
cortiço
crime
cr√īnica urbana
cultura e espaço
den√ļncia
denuncismo
desastre natural
disciplina
domicílio
droga
elevado
enchente
escola
escola de samba
espoliação urbana
estelionato
eutopia
exclus√£o espacial
favela
favela
favelização
feminismo
flanelinha
fobia
forma escolar
fragmenta√ß√£o econ√īmica
fragmentação espacial
fragmentação social
furto
gari
globalization and world cities research network (gawc)
guardador de carros
habitante
hídrico
história da cidade (livro)
homicídio
ignor√Ęncia
inclus√£o espacial
instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
integração (transporte)
internetês
invas√£o
ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
janelas
laboratório de estudos urbanos
lagoa
lagoa (foto)
lambe-lambe
largo
lembranças escolares
lesbofobia
lix√£o
lixeiras (foto)
lixeiro
lixo
lote
loteamento
machismo
malabar
mancha urbana
manifestação
marginal
marginalidade
megalópole
memória metálica
mendigo
metrópole
metrópole (foto)
metrópole e cultura
metrópole e tráfego (vídeo)
metropolização
minist√©rio da sa√ļde
ministério das cidades
ministério do trabalho e emprego
mitigação das mudanças climáticas
mobilidade
mocambo
monumento
moradia
morador
movimento pendular
mudança climática
mulher
município
município
muro
n√īmade
observatório das metrópoles
ocupação
organiza√ß√£o mundial da sa√ļde (oms)
organizador local
panelaço
panfleteiro
patrick geddes
pedestre
pedinte
periferia
pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
pet
pipoqueiro
pirataria
polícia
polissemia
população em situação de rua
população residente
praça
praça adotada
praça de alimentação
praça histórica (foto)
praça identitária
praça seca
praça seca (foto)
prisma faces entrelaçadas
puxadinho
regi√£o metropolitana
rodovia e regi√£o metropolitana (foto)
romeiro
roubo
rua
ru√£o
ruído urbano
saber urbano e linguagem
saltimbanco
santidade
sa√ļde (na constitui√ß√£o)
seguran√ßa p√ļblica
sem-carro
sinaleiro
solo urbano
sorveteiro
sub√ļrbio
telecentro
trabalho informal
tr√°fego (foto)
tr√°fico
transeunte
transfobia
transporte
transporte aquavi√°rio
transporte ferrovi√°rio
transporte rodovi√°rio
transporte urbano
trecheiro
utopia
vadia
vagabundo
varredor
vazio urbano
viaduto

seguran√ßa p√ļblica

Marcos Barbai


A palavra segurança é nuclear em nossa sociedade urbana. Na conjuntura política ocidental ela tem se tornado um elemento central para o Estado, ou seja, ela é o antídoto para os litígios instalados na sociedade, assim como na relação entre Estados-Nação. A segurança é uma demanda da opinião pública, em suma, uma política pública e um serviço dos tempos modernos.

Partindo da leitura, observação e análise dos sentidos de segurança, em dicionários de Língua Portuguesa, dos séculos XVII ao XX é possível se pensar, levando em consideração “o como se diz de uma sociedade[i]”, à medida que definimos uma palavra, o processo de construção da história da ideia de segurança. Isso se dá dentro das condições de produção da identidade humana, já que o direito à segurança aparece por volta de 1789, momento em que se publicam as Declarações do Direito do Homem, na França. A ideia de segurança se formula atrelada à ideia de Estado moderno, que nasce entre os séculos XIX e XX.

 

Assim, em Bluteau, no Vocabulario Portuguez e Latino, do Colegio de Artes da Companhia de Jesus, publicado em Lisboa, em 1712, é possível encontrar três funcionamentos na definição de segurança, isto é, uma “coisa-a-saber”, algo já significado e referido no mundo. Tem-se, desse modo:

 

“SEGURANÇA. Estado, em que não há que recear maossuccessos. Tuto rerum conditio, onis. Fem. Tutus rerum status.

                Com segurança. Vid. Seguramente.

Segurança é sinônimo de “modo de estar” e condição. A segurança é da ordem do receio, o que produz  um sujeito do medo.

                A segurança de hum intento, ou de h~unegocio. Certa confil||, ou alicujusnegot||exsecutio, onis. Fem. A ultima palavra he de Tacito neste sentido. (Do segredo nasce a Segurança dos intentos. Brachil. De Principes, pag. 221.)

Segurança é algo relativo à ação em uma situação, articulada a prática do urbano, ou seja, o comércio e circulação de bens, mercadorias e pessoas.

                Segurança que dão os Principes, & seus Ministros. Vid. Seguro. Da segurança Real, que pode dar o Juiz, o Corregedor da Corte, & como el-Rey dà segurança Real, sem as partes o requererem, quando acontece haver discórdias, &inimizades entre taes pessoas, que haõ abatimento pedilla. Vid. Liv. 3. Da Ordanaç.tit.78.”

Segurança é um conjunto de medidas promovidas por autoridades constituídas ou instituições jurídicas e administrativas. Não menos importante, ela é uma ferramenta acionada quando se identifica o litígio entre as pessoas.

Dentre essas definições, há uma que se repete em um conjunto particular de dicionários do século XVIII. Trata-se de segurança, enquanto um Estado. Em Silva, no Diccionário de Língua Portuguesa, de 1813, SEGURANÇA é um § Estado seguro de riscos, perigos, de mao sucesso, livre de incerteza.Essa ideia se repete e se atualiza na obra publicada por Frei Domingos Vieira, (Dos Eremitas de São Agostinho), no Grande Dicionario Portuguez ou Thesouro da Lingua Portugueza, publicado na cidade do Porto, entre 1871-1874. Ali SEGURANÇA[é], s. f. Estado das cousas que as tona firmes, certas e livres de todo risco e perigo.

É no século XIX que o processo de atualização da palavra, no que diz respeito ao Estado, adquire outro estatuto, ou seja, a de instituição. Prado e Silva, no Novo Dicionário Brasileiro Melhoramentos Ilustrado, publicado em 1964, define segurança como: S. nacional, Dir.: garantia das instituições políticas do Estado proporcionadas pelas instituições militares. S. pública, Dir.: garantia e tranquilidade asseguradas ao individuo e à coletividade pela ação preventiva da polícia.

A noção de Estado (assim como a ideia de ausência de conflito e necessidade da paz, além do uso da força e violência legítima) é essencial para a formulação e funcionamento da ideia de segurança, já que ela será como diz Noberto Bobbio[ii] (2000, p. 515) “a forma de exercício de poder sobre os homens”. A segurança é a garantia de proteção contra um conjunto de ameaças na cidade. No fundamento do Estado está a noção de soberania, de um Estado fundado, como diz Agamben[iii] (2002, p. 155), “sobre a própria vida da nação” cuja função dominante é a tutela do corpo popular. Na história do conceito de segurança, história essa que se formula na língua, tem como essência “um lento e irreversível processo de monopolização do uso da força.” (Bobbio, 2000, p. 557). O monopólio do uso legítimo da força e da violência não tem por objetivo evitar o conflito entre pessoas, mas o de evitar que o conflito entre cidadãos e Estado produza a guerra, portanto instituem-se em nome da segurança do povo e do território forças de segurança, as forças armadas e instituições policiais, que detém dentro do regime estabelecido, o poder da violência legal.

A segurança do povo de uma nação se produz em um sistema político, que ordena a vida e normas jurídicas, em um determinado espaço-tempo. O responsável pelas políticas de segurança é uma autoridade pública, que se legitima por um poder emanado do povo. Na Constituição da República Federativa do Brasil[iv], promulgada no ano de 1988, do século XX, no artigo 144, a segurança pública, é definida como o “dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos: I polícia federal; II polícia rodoviária federal; III polícia ferroviária federal; IIV polícias civis; V policias militares e corpos de bombeiros militares”.

Nessa definição tem-se a tutela do corpo e dos objetos que gravitam em um dado espaço soberano. Há uma tutela essa que é da ordem da luta contra um inimigo interno e externo. A necessidade da ordem pública, ou seja, ausência do desentendimento, da ameaça pessoal e coletiva, da vulnerabilidade social produz a necessidade pública da segurança. A segurança pública é a manutenção da ordem de um corpo social divergente. Ela é a aposta semântica da ausência de conflitos no corpo da cidade. A segurança é uma política pública e comercial (já que há empresas especializadas em serviços de segurança - seja ela pessoal, patrimonial e de valores) em que funcionam forças legítimas de violência e controle, estruturas interligadas e com autonomia, para administrar os conflitos e litígios na cidade, nas fronteiras e no mundo.

 


[i] MAZIÈRE, Francine. O enunciado definidor: discurso e sintaxe. IN: GUIMARÃES, E. (org.). História e Sentido na linguagem. Campinas, SP: Pontes, 1989.

[ii] BOBBIO, Noberto. Teoria geral da política: a filosofia política e as lições dos clássicos. Organizado por Michelangelo Bovero. Tradução Daniela Beccacia Versani. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000.

[iii] AGAMBEN, Giorgio. O poder soberano e a vida nua. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

[iv] http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm

 

 

 

 

Palavras-chave:

governabilidade
  -metr√≥pole
  -regi√£o metropolitana

cidade
  -conurba√ß√£o
  -cidadania
  -cidade
  -analfabetismo-alfabetiza√ß√£o
  -favela
  -regi√£o metropolitana
  -centro de estudos da metr√≥pole
  -observat√≥rio das metr√≥poles
  -munic√≠pio
  -bairro
  -favela
  -invas√£o
  -ocupa√ß√£o
  -corti√ßo
  -comunidade
  -morador
  -habitante
  -moradia
  -casa
  -centro
  -sub√ļrbio
  -periferia
  -marginal
  -marginalidade
  -cidad-e
  -censo
  -pesquisa nacional por amostra de domic√≠lios (pnad)
  -domic√≠lio
  -popula√ß√£o residente
  -utopia
  -eutopia
  -janelas
  -minist√©rio das cidades
  -laborat√≥rio de estudos urbanos
  -saber urbano e linguagem
  -condom√≠nio horizontal
  -crime
  -munic√≠pio
  -globalization and world cities research network (gawc)
  -cidade-alfa
  -megal√≥pole
  -cidade dormit√≥rio
  -metropoliza√ß√£o
  -santidade
  -rodovia e regi√£o metropolitana (foto)

Violência
  -ciberbullying
  -transporte
  -ru√£o
  -muro
  -crime
  -pol√≠cia
  -roubo
  -pra√ßa

conflito
  -arruaceiro

medo
  -den√ļncia
  -denuncismo
  -crime
  -sinaleiro

segurança
  -muro
  -condom√≠nio fechado
  -condom√≠nio horizontal
  -pol√≠cia
  -roubo
  -minist√©rio do trabalho e emprego
  -biciclet√°rio (foto)

força
  -sa√ļde (na constitui√ß√£o)
  -pol√≠cia

polícia

receio

guerra




Noções: