Verbetes:
adaptação às mudanças climáticas
albergue
amolador
analfabetismo-alfabetização
andarilho
aprender-ensinar
aquecimento global
arruaça
arruaceiro
artista
artista de rua
assentamento
aterro sanit√°rio
auxílio moradia
bairro
bairro-educador
bairro-escola
benevolo, leonardo (1923-)
biciclet√°rio
biciclet√°rio (foto)
bifobia
bilhete √ļnico
bonde (foto)
buzinaço
calçada
calçadão
camel√ī
c√£o e urbanidade
cartilha
casa
casa e corrida (foto)
catador
censo
centro
centro de estudos da metrópole
centro, revitalização (foto)
ciber
ciberbullying
cibercondria
cibercultura
ciclista, ciclofaixa (foto)
cidad-e
cidadania
cidad√£o
cidade
cidade dormitório
cidade escola
cidade global
cidade-alfa
cisgÊnero
coletivo
comércio ilegal
comunidade
comunidade
condomínio
condomínio de luxo
condomínio fechado
condomínio horizontal
congestionamento (foto)
container de lixo (foto)
contrabando
conurbação
corpografia
corrupção
cortiço
crime
cr√īnica urbana
cultura e espaço
den√ļncia
denuncismo
desastre natural
disciplina
domicílio
droga
elevado
enchente
escola
escola de samba
espoliação urbana
estelionato
eutopia
exclus√£o espacial
favela
favela
favelização
feminismo
flanelinha
fobia
forma escolar
fragmenta√ß√£o econ√īmica
fragmentação espacial
fragmentação social
furto
gari
globalization and world cities research network (gawc)
guardador de carros
habitante
hídrico
história da cidade (livro)
homicídio
ignor√Ęncia
inclus√£o espacial
instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
integração (transporte)
internetês
invas√£o
ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
janelas
laboratório de estudos urbanos
lagoa
lagoa (foto)
lambe-lambe
largo
lembranças escolares
lesbofobia
lix√£o
lixeiras (foto)
lixeiro
lixo
lote
loteamento
machismo
malabar
mancha urbana
manifestação
marginal
marginalidade
megalópole
memória metálica
mendigo
metrópole
metrópole (foto)
metrópole e cultura
metrópole e tráfego (vídeo)
metropolização
minist√©rio da sa√ļde
ministério das cidades
ministério do trabalho e emprego
mitigação das mudanças climáticas
mobilidade
mocambo
monumento
moradia
morador
movimento pendular
mudança climática
mulher
município
município
muro
n√īmade
observatório das metrópoles
ocupação
organiza√ß√£o mundial da sa√ļde (oms)
organizador local
panelaço
panfleteiro
patrick geddes
pedestre
pedinte
periferia
pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
pet
pipoqueiro
pirataria
polícia
polissemia
população em situação de rua
população residente
praça
praça adotada
praça de alimentação
praça histórica (foto)
praça identitária
praça seca
praça seca (foto)
prisma faces entrelaçadas
puxadinho
regi√£o metropolitana
rodovia e regi√£o metropolitana (foto)
romeiro
roubo
rua
ru√£o
ruído urbano
saber urbano e linguagem
saltimbanco
santidade
sa√ļde (na constitui√ß√£o)
seguran√ßa p√ļblica
sem-carro
sinaleiro
solo urbano
sorveteiro
sub√ļrbio
telecentro
trabalho informal
tr√°fego (foto)
tr√°fico
transeunte
transfobia
transporte
transporte aquavi√°rio
transporte ferrovi√°rio
transporte rodovi√°rio
transporte urbano
trecheiro
utopia
vadia
vagabundo
varredor
vazio urbano
viaduto

crime

Marcos Barbai


O crime é o ato moral mais grave de todos os tipos de infração penal e social. Ele é uma atividade e comportamento humano que lesa e ameaça e que exige, portanto, uma pena já que produz um medo paralisador no público. A ideia de crime tem a sua emergência na criação da necessidade de ordem pública, que faz parte de um processo categorização da sociedade pelas esferas de administração pública e estudiosos das ciências, em geral. O crime é uma atividade da ordem de um caráter violento contra a vida, atos de arbitrariedade e grupos ilegais organizados. Michel Foucault, na obra Vigiar e Punir, que narra a história da ideia de vigilância humana, diz que um crime é tudo aquilo que produz prejuízo e desordem no corpo social, por conta do escândalo que suscita e do exemplo que dá, dai a incitação à pena (cf. Foucault, XXXX, p. 85). Assim, o menor crime ataca e agride toda a sociedade. O delinquente, o indivíduo que quebra os laços de sociabilidade, é aquele que vive em um mundo paralelo, necessitando, portanto, ser punido e ressocializado. A existência do crime, para o filósofo, manifesta uma “incompreensibilidade da natureza humana” (idem, p. 254). Na ciência do Direito, o crime é uma conduta, um atentado contra lei do Estado. Ele viola os bens jurídicos mais importantes. Enquanto um fenômeno social o crime faz parte da vida da cidade, sendo um fato individual e singular da conduta humana, que lesa e coloca em perigo um bem protegido pela lei. Enquanto um tipo penal o crime é qualificado como uma ameaça contra a pessoa, a honra, o patrimônio, a administração pública, a dignidade sexual, incolumidade pública (incêndio, explosão, desmoronamento), patrimônio histórico, administração da justiça e economia. Definem-se, assim, os lugares de ameaças e toda uma rede conduta pessoal e pública.

Palavras-chave:


Noções:
sociabilidade
  -popula√ß√£o em situa√ß√£o de rua

ato

moral
  -saltimbanco

comportamento

conduta

humanidade

ordem p√ļblica
  -pol√≠cia
  -seguran√ßa p√ļblica

corpo social
  -droga

delinquência