Verbetes:
adaptação às mudanças climáticas
albergue
amolador
analfabetismo-alfabetização
andarilho
aprender-ensinar
aquecimento global
arruaça
arruaceiro
artista
artista de rua
assentamento
aterro sanitário
auxílio moradia
bairro
bairro-educador
bairro-escola
benevolo, leonardo (1923-)
bicicletário
bicicletário (foto)
bifobia
bilhete único
bonde (foto)
buzinaço
calçada
calçadão
camelô
cão e urbanidade
cartilha
casa
casa e corrida (foto)
catador
censo
centro
centro de estudos da metrópole
centro, revitalização (foto)
ciber
ciberbullying
cibercondria
cibercultura
ciclista, ciclofaixa (foto)
cidad-e
cidadania
cidadão
cidade
cidade dormitório
cidade escola
cidade global
cidade-alfa
cisgÊnero
coletivo
comércio ilegal
comunidade
comunidade
condomínio
condomínio de luxo
condomínio fechado
condomínio horizontal
congestionamento (foto)
container de lixo (foto)
contrabando
conurbação
corpografia
corrupção
cortiço
crime
crônica urbana
cultura e espaço
denúncia
denuncismo
desastre natural
disciplina
domicílio
droga
elevado
enchente
escola
escola de samba
espoliação urbana
estelionato
eutopia
exclusão espacial
favela
favela
favelização
feminismo
flanelinha
fobia
forma escolar
fragmentação econômica
fragmentação espacial
fragmentação social
furto
gari
globalization and world cities research network (gawc)
guardador de carros
habitante
hídrico
história da cidade (livro)
homicídio
ignorância
inclusão espacial
instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
integração (transporte)
internetês
invasão
ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
janelas
laboratório de estudos urbanos
lagoa
lagoa (foto)
lambe-lambe
largo
lembranças escolares
lesbofobia
lixão
lixeiras (foto)
lixeiro
lixo
lote
loteamento
machismo
malabar
mancha urbana
manifestação
marginal
marginalidade
megalópole
memória metálica
mendigo
metrópole
metrópole (foto)
metrópole e cultura
metrópole e tráfego (vídeo)
metropolização
ministério da saúde
ministério das cidades
ministério do trabalho e emprego
mitigação das mudanças climáticas
mobilidade
mocambo
monumento
moradia
morador
movimento pendular
mudança climática
mulher
município
município
muro
nômade
observatório das metrópoles
ocupação
organização mundial da saúde (oms)
organizador local
panelaço
panfleteiro
patrick geddes
pedestre
pedinte
periferia
pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
pet
pipoqueiro
pirataria
polícia
polissemia
população em situação de rua
população residente
praça
praça adotada
praça de alimentação
praça histórica (foto)
praça identitária
praça seca
praça seca (foto)
prisma faces entrelaçadas
puxadinho
região metropolitana
rodovia e região metropolitana (foto)
romeiro
roubo
rua
ruão
ruído urbano
saber urbano e linguagem
saltimbanco
santidade
saúde (na constituição)
segurança pública
sem-carro
sinaleiro
solo urbano
sorveteiro
subúrbio
telecentro
trabalho informal
tráfego (foto)
tráfico
transeunte
transfobia
transporte
transporte aquaviário
transporte ferroviário
transporte rodoviário
transporte urbano
trecheiro
utopia
vadia
vagabundo
varredor
vazio urbano
viaduto

ignorância

Mariza Vieira da Silva


Os sentidos produzidos pelo termo ignorância apontam para algo que falta a alguém, que lhe é desconhecido. No discurso lexicográfico, encontramos ignorância como “estado daquele que ignora algo, que não está a par da existência de alguma coisa; estado daquele que não tem conhecimento, cultura, em virtude da falta de estudo, experiência ou prática” (Houaiss online). Enquanto um estado de um sujeito, a ignorância também aponta para outras instâncias que o significam, o identificam e o classificam em função dessa falta: “estado social no qual a instrução, a cultura é extremamente precária; atitude grosseira, grosseria, incivilidade” (idem). E, ao mesmo tempo, indica a presença de um outro sujeito que sabe o que falta ao ignorante, e que é capaz de identificar essa falta e de preenchê-la. Este saber lexicográfico coloca, em questão, a relação com a alteridade, a relação entre a barbárie e a civilização, entre a igualdade e a desigualdade, que formam todo um dispositivo social fundado no conhecimento, no saber-fazer escolar.

Essa subjetividade, a do sujeito ignorante, está, sobretudo, associada às letras (Silva, 1996) e a domínios de saber a elas associado, como o das leis, dos costumes, dos comportamentos, da verdade, da razão. Assim, o sujeito ignorante é significado também como “incompetente, inexperiente, mal-educado, pretensioso, presunçoso, bronco”; e, ainda, “sem malícia, puro, inocente”, ou seja, que não é capaz de fazer julgamentos verdadeiros e adequados, de compreender o mundo que o cerca, a sociedade em que vive, dada a sua “ingenuidade excessiva” (idem), precisando ser ensinado, conscientizado. Assim, temos alguns provérbios, como “A ignorância do bem é a causa do mal” e “A ignorância é má conselheira”.

Os contrários também se atraem nessa rede semântica que se tece com o termo ignorância. “O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual” é o título de um livro de Jacques Rancière (2013) que, a partir da experiência pedagógica inusitada de Joseph Jacotot, no século XIX, discute e analisa, da perspectiva filosófica e política, o ensinar-aprender; o lugar de quem sabe reservado ao mestre e o lugar de quem ignora algo (ou tudo?) reservado ao aluno; “a maneira pela qual a Escola e a sociedade infinitamente se simbolizam uma à outra, reproduzindo, assim, indefinidamente,o pressuposto desigualitário, em sua própria denegação” (Idem, ibidem, p. 15).

Outros discursos, como o literário, lançam novos sentidos nessa rede. Milan Kundera, em seu romance “A ignorância” (2002), cuja narrativa gira em torno de personagens que exilaram, voluntariamente ou não, e de seu retorno, tratando de temas como a ausência, a memória, o esquecimento, o estranhamento face ao conhecido, faz, inicialmente, todo um percurso semântico relacionando os termos “retorno”, “nostalgia”, “ignorância”. Em grego, ele diz, retorno se diz nóstos. Álgos significa sofrimento. A nostalgia é, portanto, o sofrimento causado pelo desejo irrealizado de retornar” (p. 9). E passando por outras palavras em outras línguas – “añoranza” em espanhol; “saudade” em português, por exemplo –, irá afirmar que “À luz dessa etimologia, a nostalgia surge como o sofrimento da ignorância” (p. 10).

Riobaldo, personagem de “Grande sertão: veredas”, de João Guimarães Rosa (1986), também trabalha esse espaço de opacidade do (des)conhecer.

Sou só um sertanejo, nessas altas idéias navego mal. Sou muito pobre coitado. Inveja minha pura é de uns conforme o senhor, com toda leitura e suma doutoração. Não é que eu esteja analfabeto. Soletrei, anos e meio, meante cartilha, memória e palmatória. Tive mesmo, Mestre Lucas, no Curralinho, decorei gramática, as operações, até geografia e estudo pátrio. Em folhas grandes de papel, com capricho tracei bonitos mapas. [...] Eu quase que nada sei. Mas desconfio de muita coisa. O senhor concedendo, eu digo: para pensar longe, sou cão mestre – o senhor solte em minha frente uma idéia ligeira, e eu rastreio essa por fundo de todos os matos, amém! (Rosa, 1986, pp. 13-14).

Essa polissemia do termo, que se apresenta como evidente, pode ser compreendida como um trabalho de determinação (Haroche, 1992), que se dá pelo preenchimento do lugar do complemento: seja do substantivo “ignorância” (de quê?), do adjetivo “ignorante” (em quê?) ou do verbo “ignorar” (o quê?), colocando em jogo uma exterioridade, o explícito e o implícito. Essa injunção a determinar, gramaticalmente, a palavra ignorância, abre espaços de linguagem para se observar as divisões e desigualdades presentes em uma sociedade, bem como os conflitos e resistências que aí também se constroem. Do quê estamos falando, então, quando falamos de ignorância, quando chamamos alguém de ignorante?

Ocupo muito de mim com o meu desconhecer. / Sou um sujeito letrado em dicionários. / Não tenho que 100 palavras. / Pelo menos uma vez por dia me vou no Morais ou no Viterbo - / A fim de consertar a minha ignorãça / mas só acrescenta. / Despesas para minha erudição tiro nos almanaques: / -Ser ou não ser, eis a questão. / Ou na porta dos cemitérios: / -Lembra que és pó e que ao pó tu voltarás. / Ou no verso das folhinhas: / - Conhece-te a ti mesmo. / Ou na boca do povinho: / - Coisa que não acaba no mundo é gente besta. / e pau seco. / Etc / Etc / Etc / Maior que o infinito é a encomenda (Barros, 2001, p. 27).

 

Referências bibliográficas

BARROS, M. O livro das ignorãças. 10ª edição. Rio de Janeiro: Record, 2001.

HAROCHE, C. Fazer dizer, querer dizer. Trad. Eni P. Orlandi. São Paulo: Hucitec, 1992.

KUNDERA, M. A ignorância. Trad. Teresa Bulhões Carvalho da Fonseca. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

RANCIÈRE, J. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Trad. Lilian do Valle. 3ª edição. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013

SILVA, M. V. da. O dicionário e o processo de identificação do sujeito- analfabeto. In: GUIMARÃES, E. & ORLANDI, E. P. (Orgs.) Língua e cidadania: o português no Brasil. Campinas, SP: Pontes, 1996, 151-162.