Verbetes:
adaptação às mudanças climáticas
albergue
amolador
analfabetismo-alfabetização
andarilho
aprender-ensinar
aquecimento global
arruaça
arruaceiro
artista
artista de rua
assentamento
aterro sanitário
auxílio moradia
bairro
bairro-educador
bairro-escola
benevolo, leonardo (1923-)
bicicletário
bicicletário (foto)
bifobia
bilhete único
bonde (foto)
buzinaço
calçada
calçadão
camelô
cão e urbanidade
cartilha
casa
casa e corrida (foto)
catador
censo
centro
centro de estudos da metrópole
centro, revitalização (foto)
ciber
ciberbullying
cibercondria
cibercultura
ciclista, ciclofaixa (foto)
cidad-e
cidadania
cidadão
cidade
cidade dormitório
cidade escola
cidade global
cidade-alfa
cisgÊnero
coletivo
comércio ilegal
comunidade
comunidade
condomínio
condomínio de luxo
condomínio fechado
condomínio horizontal
congestionamento (foto)
container de lixo (foto)
contrabando
conurbação
corpografia
corrupção
cortiço
crime
crônica urbana
cultura e espaço
denúncia
denuncismo
desastre natural
disciplina
domicílio
droga
elevado
enchente
escola
escola de samba
espoliação urbana
estelionato
eutopia
exclusão espacial
favela
favela
favelização
feminismo
flanelinha
fobia
forma escolar
fragmentação econômica
fragmentação espacial
fragmentação social
furto
gari
globalization and world cities research network (gawc)
guardador de carros
habitante
hídrico
história da cidade (livro)
homicídio
ignorância
inclusão espacial
instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
integração (transporte)
internetês
invasão
ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
janelas
laboratório de estudos urbanos
lagoa
lagoa (foto)
lambe-lambe
largo
lembranças escolares
lesbofobia
lixão
lixeiras (foto)
lixeiro
lixo
lote
loteamento
machismo
malabar
mancha urbana
manifestação
marginal
marginalidade
megalópole
memória metálica
mendigo
metrópole
metrópole (foto)
metrópole e cultura
metrópole e tráfego (vídeo)
metropolização
ministério da saúde
ministério das cidades
ministério do trabalho e emprego
mitigação das mudanças climáticas
mobilidade
mocambo
monumento
moradia
morador
movimento pendular
mudança climática
mulher
município
município
muro
nômade
observatório das metrópoles
ocupação
organização mundial da saúde (oms)
organizador local
panelaço
panfleteiro
patrick geddes
pedestre
pedinte
periferia
pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
pet
pipoqueiro
pirataria
polícia
polissemia
população em situação de rua
população residente
praça
praça adotada
praça de alimentação
praça histórica (foto)
praça identitária
praça seca
praça seca (foto)
prisma faces entrelaçadas
puxadinho
região metropolitana
rodovia e região metropolitana (foto)
romeiro
roubo
rua
ruão
ruído urbano
saber urbano e linguagem
saltimbanco
santidade
saúde (na constituição)
segurança pública
sem-carro
sinaleiro
solo urbano
sorveteiro
subúrbio
telecentro
trabalho informal
tráfego (foto)
tráfico
transeunte
transfobia
transporte
transporte aquaviário
transporte ferroviário
transporte rodoviário
transporte urbano
trecheiro
utopia
vadia
vagabundo
varredor
vazio urbano
viaduto

escola de samba

Mariza Vieira da Silva


Escola de samba é uma locução categorizada nos dicionários de língua como um brasileirismo. Os brasileirismos são termos, expressões que marcam, lexicalmente, diferenças entre o Português do Brasil e o Português de Portugal; e são provenientes de outras línguas como as indígenas e as africanas, ou mesmo, se vindas de Portugal, são aqui ressignificadas. São termos, pois, que condensam, de forma ambígua e contraditória, nossa brasilidade.

Segundo o Novo Dicionário Aurélio (1975), escola de samba é uma “sociedade musical e recreativa, composta de sambistas, passistas, compositores, músicos, figurinistas, etc., e que promove festejos, espetáculos e desfiles (especialmente durante o carnaval); e designa, também, a sede, o espaço físico em que se realizam as atividades dessa sociedade. Aqui Escola é predicada pela palavra “samba”, também um brasileirismo, que significa “uma dança cantada, de origem africana, compasso binário e acompanhamento obrigatoriamente sincopado”, e “a música que acompanha essa dança”; sendo o “samba enredo”, o “samba composto especialmente para ser cantado durante os desfiles das escolas de samba por ocasião do carnaval”, lembrando, ainda, que “a letra desse samba e o enredo do espetáculo em desfile têm um tema em comum, que é sempre de fundo histórico-patriótico” (Idem).

Para Roberto DaMatta (1990), falando de carnaval, escola foi 

[...] um nome fixado pelo tempo para grupos sabidamente ignorantes, sistematicamente perseguidos pela polícia e residentes nas favelas dos morros do Rio de Janeiro. Eles que, no mundo diário, vivem aprendendo nossas regras e ocupam nossas cozinhas e oficinas, surgem agora como professores, ensinando o prazer de viver atualizado no canto, na dança e no samba. Revelam, por trás de um surpreendente poder de arregimentação e ordem, uma fantástica vitalidade e amor à vida (p. 104).

Nas definições e estudos associados às escolas de samba, temos um terceiro termo sempre presente: o “carnaval”, cuja etimologia remonta ao latim, referindo-se à “véspera da Quarta-Feira de Cinzas, dia em que se inicia a abstinência de carne exigida na Quaresma” (Houaiss online). Trata-se, pois, de um “período anual de festas profanas, originadas na Antiguidade e recuperadas pelo cristianismo, e que começava no dia de Reis (Epifania) e acabava na Quarta-Feira de Cinzas, às vésperas da Quaresma; constituía-se de festejos populares provenientes de ritos e costumes pagãos e se caracterizava pela liberdade de expressão e movimento” (Idem).

O tempo na escola de samba, considerado em sua dimensão histórica, é marcado pela relação entre o sagrado e o profano, produzindo uma rede semântica que envolve “diversão”, “folia”, “brincadeiras”, “música, “dança”, transgressão”, “desregramento” e, ao mesmo tempo, “pecado”, “culpa”, “sexo”, “mortificação da carne”, “abstinência” etc. Nesse sentido, “o tempo do Carnaval é cósmico e cíclico, remetendo os participantes do ritual para fora do contexto brasileiro, colocando-os em contato com o mundo do sagrado, do divino ou do sobrenatural”, diz DaMatta (1990, p. 45). Contudo, com a palavra “samba”, determinando “escola”, temporalizamos o carnaval no espaço brasileiro, e produzimos uma configuração escolar própria, em um trabalho complexo, paradoxal e contraditório entre disciplinarização e liberdade, entre submissão e resistência, entre reprodução e transformação, entre corpo e alma.

A escola de samba consegue trabalhar, de maneira original, a forma-escolar, articulando saber-fazer-prazer e criando condições para a ação e a criação individual e coletiva, no ritmo do samba e nas fronteiras simbólicas movediças do espaço e do tempo de uma instituição de uma sociedade como a nossa.

 

Referências bibliográficas

DaMATTA, R. Carnavais, malandros e herói: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1990.

FERREIRA, A. B. de. Novo dicionário AURÉLIO da língua portuguesa. 1ª edição, 14ª reimpressão. Rio de Janeiro: Record, 1975.

HOUAIS, A. Grande Dicionário HOUAISS Beta da língua portuguesa. Disponível em http://houaiss.uol.com.br . Acesso em 19 de abril de 2013.