Verbetes:
adaptação às mudanças climáticas
albergue
amolador
analfabetismo-alfabetização
andarilho
aprender-ensinar
aquecimento global
arruaça
arruaceiro
artista
artista de rua
assentamento
aterro sanitário
auxílio moradia
bairro
bairro-educador
bairro-escola
benevolo, leonardo (1923-)
bicicletário
bicicletário (foto)
bifobia
bilhete único
bonde (foto)
buzinaço
calçada
calçadão
camelô
cão e urbanidade
cartilha
casa
casa e corrida (foto)
catador
censo
centro
centro de estudos da metrópole
centro, revitalização (foto)
ciber
ciberbullying
cibercondria
cibercultura
ciclista, ciclofaixa (foto)
cidad-e
cidadania
cidadão
cidade
cidade dormitório
cidade escola
cidade global
cidade-alfa
cisgÊnero
coletivo
comércio ilegal
comunidade
comunidade
condomínio
condomínio de luxo
condomínio fechado
condomínio horizontal
congestionamento (foto)
container de lixo (foto)
contrabando
conurbação
corpografia
corrupção
cortiço
crime
crônica urbana
cultura e espaço
denúncia
denuncismo
desastre natural
disciplina
domicílio
droga
elevado
enchente
escola
escola de samba
espoliação urbana
estelionato
eutopia
exclusão espacial
favela
favela
favelização
feminismo
flanelinha
fobia
forma escolar
fragmentação econômica
fragmentação espacial
fragmentação social
furto
gari
globalization and world cities research network (gawc)
guardador de carros
habitante
hídrico
história da cidade (livro)
homicídio
ignorância
inclusão espacial
instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
integração (transporte)
internetês
invasão
ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
janelas
laboratório de estudos urbanos
lagoa
lagoa (foto)
lambe-lambe
largo
lembranças escolares
lesbofobia
lixão
lixeiras (foto)
lixeiro
lixo
lote
loteamento
machismo
malabar
mancha urbana
manifestação
marginal
marginalidade
megalópole
memória metálica
mendigo
metrópole
metrópole (foto)
metrópole e cultura
metrópole e tráfego (vídeo)
metropolização
ministério da saúde
ministério das cidades
ministério do trabalho e emprego
mitigação das mudanças climáticas
mobilidade
mocambo
monumento
moradia
morador
movimento pendular
mudança climática
mulher
município
município
muro
nômade
observatório das metrópoles
ocupação
organização mundial da saúde (oms)
organizador local
panelaço
panfleteiro
patrick geddes
pedestre
pedinte
periferia
pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
pet
pipoqueiro
pirataria
polícia
polissemia
população em situação de rua
população residente
praça
praça adotada
praça de alimentação
praça histórica (foto)
praça identitária
praça seca
praça seca (foto)
prisma faces entrelaçadas
puxadinho
região metropolitana
rodovia e região metropolitana (foto)
romeiro
roubo
rua
ruão
ruído urbano
saber urbano e linguagem
saltimbanco
santidade
saúde (na constituição)
segurança pública
sem-carro
sinaleiro
solo urbano
sorveteiro
subúrbio
telecentro
trabalho informal
tráfego (foto)
tráfico
transeunte
transfobia
transporte
transporte aquaviário
transporte ferroviário
transporte rodoviário
transporte urbano
trecheiro
utopia
vadia
vagabundo
varredor
vazio urbano
viaduto

telecentro

Cristiane Dias


A partir dos anos 2000, intensifica-se, no Brasil, o investimento na criação de locais públicos de acesso gratuito à internet: os Telecentros comunitários. Iniciativa do setor público e ONGs, a implantação de Telecentros no Brasil não se restringia apenas ao acesso a computadores e à internet, mas oferecia também cursos de informática, de programação em alguns locais e esporadicamente, e atividades culturais e de lazer para jovens e idosos. Essas atividades são assistidas por monitores.

Os Telecentros são voltados, em geral, para sujeitos moradores de regiões periféricas e menos favorecidas das cidades brasileiras. Com o intuito de diminuir a chamada “exclusão digital”.

A dita “exclusão digital” foi sempre um empecilho para a implantação da Sociedade da Informação e do governo eletrônico no Brasil, nesse sentido, o apoio a essas iniciativas foi muito grande, pois elas serviam, muitas vezes, de base para a atuação do poder público na implementação de políticas públicas de inclusão digital.

Nesse contexto, a inclusão social passa a um primeiro plano, uma vez que o jogo político e econômico do qual o governo eletrônico é parte, conclui que sem um mínimo investimento na inclusão social, não seria possível falar em inclusão digital. Assim, o discurso da inclusão social ganhou força pela necessidade de uma inclusão digital, e os Telecentros cumprem o papel de espaços mediadores dessa inclusão, ao mesmo tempo em que produzem, enquanto política pública, o consenso da inclusão.

Nessa perspectiva, mais que espaços de acesso gratuito à internet, voltado para população de baixa renda, os Telecentros são, de um lado, uma aposta do Governo (e junto com ele as ONGs) no aumento da população com acesso à internet para, desse modo, construir a sonhada “sociedade da informação”, e, por outro lado, uma esperança das comunidades nas quais ele foi implantado, de obter uma “capacitação” para uma oportunidade de trabalho. Ainda podemos considerar um outro sentido para os Telecentros, que é a utopia de muitos que se envolveram em sua implantação de formar sujeitos para uma cultura digital livre e colaborativa.

Até 2014, segundo o site do Ministério das Comunicações, o Brasil tinha 7.755 Telecentros instalados em todas as regiões.

 

Bibliografia

DIAS, Cristiane. Telecentros como políticas públicas de inclusão digital: da administração da vida na cidade. In: ORLANDI, Eni (org.) Discurso e políticas públicas urbanas: a fabricação do consenso. Campinas: Editora RG, 2010.

Site do Ministério das Comunicações. Disponível em <http://www.mc.gov.br/telecentros> Acessado em 0402/2015.

 

Palavras-chave:


Noções:
exclusão digital