Verbetes:
adaptação às mudanças climáticas
albergue
amolador
analfabetismo-alfabetização
andarilho
aprender-ensinar
aquecimento global
arruaça
arruaceiro
artista
artista de rua
assentamento
aterro sanit√°rio
auxílio moradia
bairro
bairro-educador
bairro-escola
benevolo, leonardo (1923-)
biciclet√°rio
biciclet√°rio (foto)
bifobia
bilhete √ļnico
bonde (foto)
buzinaço
calçada
calçadão
camel√ī
c√£o e urbanidade
cartilha
casa
casa e corrida (foto)
catador
censo
centro
centro de estudos da metrópole
centro, revitalização (foto)
ciber
ciberbullying
cibercondria
cibercultura
ciclista, ciclofaixa (foto)
cidad-e
cidadania
cidad√£o
cidade
cidade dormitório
cidade escola
cidade global
cidade-alfa
cisgÊnero
coletivo
comércio ilegal
comunidade
comunidade
condomínio
condomínio de luxo
condomínio fechado
condomínio horizontal
congestionamento (foto)
container de lixo (foto)
contrabando
conurbação
corpografia
corrupção
cortiço
crime
cr√īnica urbana
cultura e espaço
den√ļncia
denuncismo
desastre natural
disciplina
domicílio
droga
elevado
enchente
escola
escola de samba
espoliação urbana
estelionato
eutopia
exclus√£o espacial
favela
favela
favelização
feminismo
flanelinha
fobia
forma escolar
fragmenta√ß√£o econ√īmica
fragmentação espacial
fragmentação social
furto
gari
globalization and world cities research network (gawc)
guardador de carros
habitante
hídrico
história da cidade (livro)
homicídio
ignor√Ęncia
inclus√£o espacial
instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
integração (transporte)
internetês
invas√£o
ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
janelas
laboratório de estudos urbanos
lagoa
lagoa (foto)
lambe-lambe
largo
lembranças escolares
lesbofobia
lix√£o
lixeiras (foto)
lixeiro
lixo
lote
loteamento
machismo
malabar
mancha urbana
manifestação
marginal
marginalidade
megalópole
memória metálica
mendigo
metrópole
metrópole (foto)
metrópole e cultura
metrópole e tráfego (vídeo)
metropolização
minist√©rio da sa√ļde
ministério das cidades
ministério do trabalho e emprego
mitigação das mudanças climáticas
mobilidade
mocambo
monumento
moradia
morador
movimento pendular
mudança climática
mulher
município
município
muro
n√īmade
observatório das metrópoles
ocupação
organiza√ß√£o mundial da sa√ļde (oms)
organizador local
panelaço
panfleteiro
patrick geddes
pedestre
pedinte
periferia
pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
pet
pipoqueiro
pirataria
polícia
polissemia
população em situação de rua
população residente
praça
praça adotada
praça de alimentação
praça histórica (foto)
praça identitária
praça seca
praça seca (foto)
prisma faces entrelaçadas
puxadinho
regi√£o metropolitana
rodovia e regi√£o metropolitana (foto)
romeiro
roubo
rua
ru√£o
ruído urbano
saber urbano e linguagem
saltimbanco
santidade
sa√ļde (na constitui√ß√£o)
seguran√ßa p√ļblica
sem-carro
sinaleiro
solo urbano
sorveteiro
sub√ļrbio
telecentro
trabalho informal
tr√°fego (foto)
tr√°fico
transeunte
transfobia
transporte
transporte aquavi√°rio
transporte ferrovi√°rio
transporte rodovi√°rio
transporte urbano
trecheiro
utopia
vadia
vagabundo
varredor
vazio urbano
viaduto

cidad-e

Cristiane Dias


A noção de cidad-e (ou e-urbano) diz respeito a um modo de compreensão do espaço urbano a partir da discursividade do eletrônico. Essa noção foi formulada levando em conta o tripé espaço urbano, informação e tecnologia, e considera os processos de significação produzidos nessa relação. Buscando produzir elementos para refletir sobre a relação constitutiva entre o urbano e o eletrônico, cidad-e considera o espaço urbano em sua materialidade, processos de significação, considerando, portanto, o sujeito e os sentidos. 

Como sabemos, um dos aspectos que diz respeito à evolução das cidades é o desenvolvimento tecnológico. A tecnologia é base da formação das cidades, no que diz respeito, por exemplo, aos aspectos topográficos, mas também no que diz respeito às relações sociais, ao espaço urbano. Hoje, as chamadas Novas Tecnologias de Comunicação e Informação são um elemento constitutivo do urbano no que se refere às relações sociais, políticas e administrativas desse espaço. Elas fazem parte do modo de circulação e experimentação do urbano. A forte presença do eletrônico no urbano, por meio das tecnologias digitais, ressignifica os sentidos da circulação e da experimentação nesse espaço. Modifica, também, sua paisagem. O ambiente cotidiano no qual circulamos é composto de dispositivos eletrônicos que se comunicam entre si e conectam os sujeitos uns com outros. Trata-se dos sistemas eletrônicos que estão em todas as partes. É o eletrônico determinando a relação do sujeito com o mundo, no mundo, no espaço urbano, já que esses instrumentos fazem parte da vida cotidiana por meio das práticas dos sujeitos: ir ao banco, fazer compras, ir ao cinema, ao museu, marcar encontros, mesmo se locomover na cidade utilizando aplicativos de trânsito, dentre tantas outras práticas cotidianas.

Na formulação de cidad-e, o eletrônico interessa muito além de sua forma empírica ou abstrata, os objetos em si, seu uso ou formas de acesso, ou ainda seu conceito, o eletrônico interessa na medida em que é considerado em sua materialidade, a saber, em suas condições de produção, historicidade, processo discursivo e ideológico a partir do qual o mundo contemporâneo produz sentidos, uma vez que os sujeitos, em todos os lugares, são afetados em sua constituição pelo sentido do eletrônico e dos dispositivos digitais.

Pensar a cidad-e é, pois, considerar o processo histórico e ideológico de significação da nossa sociedade contemporânea, o modo como estamos nela, como significamos os espaços e somos por eles significados, o modo como somos individuados pelo Estado na forma do discurso da tecnologia.
A noção de cidad-e busca levar em conta a constituição do espaço urbano pelo digital. Não toma a cidade e o espaço urbano como já significados pela tecnologia, mas os considera em seu movimento de significação pela tecnologia digital, naquilo que escapa a qualquer estabilização. No acontecimento da tecnologia no urbano.