Verbetes:
adaptação às mudanças climáticas
albergue
amolador
analfabetismo-alfabetização
andarilho
aprender-ensinar
aquecimento global
arruaça
arruaceiro
artista
artista de rua
assentamento
aterro sanitário
auxílio moradia
bairro
bairro-educador
bairro-escola
benevolo, leonardo (1923-)
bicicletário
bicicletário (foto)
bifobia
bilhete único
bonde (foto)
buzinaço
calçada
calçadão
camelô
cão e urbanidade
cartilha
casa
casa e corrida (foto)
catador
censo
centro
centro de estudos da metrópole
centro, revitalização (foto)
ciber
ciberbullying
cibercondria
cibercultura
ciclista, ciclofaixa (foto)
cidad-e
cidadania
cidadão
cidade
cidade dormitório
cidade escola
cidade global
cidade-alfa
cisgÊnero
coletivo
comércio ilegal
comunidade
comunidade
condomínio
condomínio de luxo
condomínio fechado
condomínio horizontal
congestionamento (foto)
container de lixo (foto)
contrabando
conurbação
corpografia
corrupção
cortiço
crime
crônica urbana
cultura e espaço
denúncia
denuncismo
desastre natural
disciplina
domicílio
droga
elevado
enchente
escola
escola de samba
espoliação urbana
estelionato
eutopia
exclusão espacial
favela
favela
favelização
feminismo
flanelinha
fobia
forma escolar
fragmentação econômica
fragmentação espacial
fragmentação social
furto
gari
globalization and world cities research network (gawc)
guardador de carros
habitante
hídrico
história da cidade (livro)
homicídio
ignorância
inclusão espacial
instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
integração (transporte)
internetês
invasão
ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
janelas
laboratório de estudos urbanos
lagoa
lagoa (foto)
lambe-lambe
largo
lembranças escolares
lesbofobia
lixão
lixeiras (foto)
lixeiro
lixo
lote
loteamento
machismo
malabar
mancha urbana
manifestação
marginal
marginalidade
megalópole
memória metálica
mendigo
metrópole
metrópole (foto)
metrópole e cultura
metrópole e tráfego (vídeo)
metropolização
ministério da saúde
ministério das cidades
ministério do trabalho e emprego
mitigação das mudanças climáticas
mobilidade
mocambo
monumento
moradia
morador
movimento pendular
mudança climática
mulher
município
município
muro
nômade
observatório das metrópoles
ocupação
organização mundial da saúde (oms)
organizador local
panelaço
panfleteiro
patrick geddes
pedestre
pedinte
periferia
pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
pet
pipoqueiro
pirataria
polícia
polissemia
população em situação de rua
população residente
praça
praça adotada
praça de alimentação
praça histórica (foto)
praça identitária
praça seca
praça seca (foto)
prisma faces entrelaçadas
puxadinho
região metropolitana
rodovia e região metropolitana (foto)
romeiro
roubo
rua
ruão
ruído urbano
saber urbano e linguagem
saltimbanco
santidade
saúde (na constituição)
segurança pública
sem-carro
sinaleiro
solo urbano
sorveteiro
subúrbio
telecentro
trabalho informal
tráfego (foto)
tráfico
transeunte
transfobia
transporte
transporte aquaviário
transporte ferroviário
transporte rodoviário
transporte urbano
trecheiro
utopia
vadia
vagabundo
varredor
vazio urbano
viaduto

ruído urbano

José Horta Nunes


Com a cidade industrial, o som das máquinas se espalha pela cidade. À intermitência do badalar dos sinos, advém uma continuidade do ruído das máquinas, dos automóveis, das fábricas, que espantam ou incomodam, ao mesmo tempo em que sinalizam o “progresso” ou suas consequências nefastas. Enquanto uma materialidade significante, o ruído na cidade produz sentidos diversos, ligados à constituição dos sujeitos, seja o do incômodo, o do “progresso”, o do trânsito, o da vida urbana, ou até mesmo o de uma situação política desagradável.
Alguns desses sentidos podem ser encontrados no romance “O Silencieiro”, do argentino Antonio Benedetto (1922-1986), um dos artistas exilados durante s repressão militar. Nesse romance nota-se um desses sentidos do ruído e do silêncio. Nesse romance, um personagem sem nome, ao se deparar, no portão de sua casa, com um ruído, que vem de “um terreno desocupado que nunca vi”, busca compreender o que ele é. Seu tio diz que vem do motor de um ônibus, que “não pode durar. Um ônibus vem e vai embora.”. Mas o personagem é abalado pela continuidade do ruído e diz: “- ‘Vem e vai embora’, isso é uma frase. Vem e vai embora quando anda pela rua. Não percebe que este ônibus é diferente, que está enxertado na nossa casa? Não o houve, por acaso? Claro, não vai ter de suportá-lo, o senhor não mora aqui!...”. O ruído significa aí um real contínuo que afeta os sujeitos na cidade, na casa, na rua, no espaço urbano; o ruído das máquinas, da cidade industrializada, na conjuntura de forte industrialização. O ruído do trânsito aparece aí como marca de um contínuo sonoro que constitui o sujeito urbano. Este se debate em vão diante da permanência, do absurdo, da ambiguidade do ruído, manifestando seus questionamentos existenciais e procurando silenciá-lo. O neologismo “silencieiro”, como “fazedor de silêncio” indica aí a contínua busca do silêncio, em uma fuga do excesso de ruído. Para além do sentido físico da sonoridade, uma das evocações possíveis para esse silêncio, é a do enfrentamento da ditadura, da tentativa de escapar a um incômodo contínuo na conjuntura de uma cidade tomada pelos sentidos de perseguição.
Na atualidade, outras formas da relação entre ruído e silêncio se apresentam. O uso do walkman e depois do celular, do i-pod ou do i-phone pode ser visto como marca de um outro modo de subjetivação, de individuação/alienação do sujeito, diante do contínuo sonoro da cidade. Resguardado da alteridade dos ruídos, os transeuntes badalam pelas ruas, indiferentes às mais diversas fontes de interrupção sonora. A individualização do sujeito se dá pela blindagem, pela fragmentação, pela compartimentação do som.
Mas a sonoridade também congrega quando inserida em uma situação, no espaço público, como acontece com os rappers que se ajuntam nas ruas, nas praças, em volta de um aparelho de som, que deixa o ruído das máquinas como ambiente de fundo diante da música acompanhada de rimas, de simulações de sons da cidade, e da narratividade urbana.


Bibliografia

DI BENEDETTO, Antonio. O Silencieiro. São Paulo: Globo, 2006.

Palavras-chave:

desindustrialização
  -metrópole
  -população em situação de rua

industrialização
  -metrópole
  -conurbação
  -população em situação de rua
  -utopia

transporte
  -viaduto
  -metrópole
  -conurbação
  -mendigo
  -transporte
  -transporte ferroviário
  -transporte aquaviário
  -transporte rodoviário
  -crônica urbana
  -sem-carro
  -bilhete único
  -censo
  -instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
  -domicílio
  -população residente
  -transporte urbano
  -elevado
  -integração (transporte)
  -utopia
  -loteamento
  -buzinaço
  -ministério das cidades
  -espoliação urbana
  -fragmentação espacial
  -fragmentação econômica
  -fragmentação social
  -exclusão espacial
  -inclusão espacial
  -bicicletário
  -calçadão
  -amolador
  -pedestre
  -romeiro
  -transeunte
  -nômade
  -município
  -megalópole
  -movimento pendular
  -cidade dormitório
  -bonde (foto)
  -congestionamento (foto)
  -rodovia e região metropolitana (foto)
  -bicicletário (foto)
  -ciclista, ciclofaixa (foto)
  -metrópole e tráfego (vídeo)

laço social
  -mendigo
  -pet

sujeito urbano
  -mendigo
  -sem-carro
  -ruão
  -arruaça
  -albergue
  -andarilho
  -mocambo
  -tráfego (foto)
  -ciclista, ciclofaixa (foto)

transporte rodoviário
  -transporte
  -transporte ferroviário
  -transporte aquaviário
  -transporte rodoviário
  -crônica urbana
  -sem-carro
  -bilhete único
  -transporte urbano
  -elevado
  -integração (transporte)
  -inclusão espacial
  -movimento pendular
  -rodovia e região metropolitana (foto)

ônibus
  -transporte
  -transporte rodoviário
  -crônica urbana
  -sem-carro
  -bilhete único
  -transporte urbano
  -integração (transporte)

ruído urbano
  -panelaço
  -buzinaço

sonoridade
  -panelaço
  -buzinaço

silencieiro

silêncio
  -arruaça
  -albergue

ditadura

rapper

rap

música
  -muro

indústria
  -catador

celular

walkman

i-pod

barulho

incômodo

indiferença
  -cão e urbanidade
  -artista de rua
  -transeunte

individuação




Noções: